Brasil registra menor média de mortes e casos, em meses

Com 53 óbitos, São Paulo tem menor média de mortes, desde abril. No Brasil, feriado prolongado pode ter afetado a coleta de números, assim como as aglomerações podem tornar essa queda insustentável.

Praia do Flamengo, na zona sul do Rio, cheia de barracas e pessoas na areia, apesar da pandemia de Covid-19. Tânia Rêgo/Agência Brasil

Nas últimas 24 horas, o Brasil registrou mais 504 mortes e 14.279 novos casos de covid-19. Os números foram apresentados na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite dessa terça-feira (8). Segundo o consórcio da imprensa, os números levantados nas secretarias estaduais de saúde são 516 e 17.526 nas últimas 24 horas, respectivamente.

A média móvel de mortes, calculada pelos números do consórcio da imprensa, com base nos registros dos últimos sete dias, aponta 691 óbitos por dia, queda de 26% em 14 dias. A média móvel de casos foi de 30.333 por dia, uma variação de -19% em relação aos casos registrados em 14 dias. Estes números são os menores já verificados desde junho, o que poderia significar um indício relevante de mudança na curva epidemiológica.

Novos números de contágios desta 37a semana estão abaixo da média dos últimos meses.
Em quatro dias, será possível confirmar se a curva de óbitos se mantém em queda.

No entanto, é preciso checar nos próximos dias a sustentabilidade disso, pois os novos números de casos e mortes costumam apresentar queda durante os finais de semana e segundas-feiras, devido às equipes com menos gente trabalhando para fazer esses registros, o que é compensado durante a semana. É importante ressaltar que o feriado prolongado desta segunda (7) pode ter refletido ainda mais na baixa dos últimos dias.

Por outro lado, o feriado representou também um aumento explícito das aglomerações por todo o país, com multidões indo às praias, hotéis e bares sem atenção à necessidade do distanciamento social, uso de máscaras ou álcool gel. Um único final de semana como esse pode ser suficiente para explodir a curva de contágios nos próximos dias, se refletindo posteriormente nos óbitos.

O número total de óbitos chega a 127.464. Ontem, o painel do Ministério da Saúde marcava 126.960. Ainda há 2.485 falecimentos em investigação.

Os casos acumulados de Covid-19 totalizam 4.162.073. Ontem o sistema de dados trazia 4.147.794 casos desde o início da pandemia.

Ainda de acordo com a atualização, 637.735 pessoas estão em acompanhamento e outras 3.397.234 já se recuperaram.

Covid-19 nos estados: São Paulo em destaque

Os estados com mais mortes são São Paulo (31.430), Rio de Janeiro (16.646), Ceará (8.567), Pernambuco (7.741) e Pará (6.269). As Unidades da Federação com menos óbitos até o momento são Roraima (598), Acre (630), Amapá (675), Tocantins (758) e Mato Grosso do Sul (987).

É preciso destacar, no entanto, que o estado de São Paulo, epicentro da pandemia, marcou recorde de queda nos números de doentes e óbitos. SP registra 53 mortes e 1.453 casos de covid-19 nas últimas 24 horas. Esse foi o menor número de mortes diárias desde 21 de abril. No dia 21 de abril foram registradas 56 mortes. Neste caso também vale o efeito feriado prolongado com queda de números.

A taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) está em 53,5% no estado e em 52,8% na Grande São Paulo.

Na semana passada, que correspondeu à 36ª Semana Epidemiológica (de 30 de agosto a 5 de setembro), o estado de São Paulo voltou a apresentar queda no número de mortes e de novas internações por covid-19. Foi a quarta semana consecutiva de queda na média móvel de ambos os indicadores.

No número de mortes, a queda foi de 22%, passando de uma média móvel de 252 mortes por dia computada na 35ª Semana Epidemiológica (23 a 29 de agosto) para 196 por dia na semana passada. É a primeira vez, desde a 22ª Semana Epidemiológica (entre os dias 24 e 30 de maio), que a média móvel de mortes fica abaixo das 200 diárias.

Conforme o levantamento feito pelo consórcio, 18 estados e o Distrito Federal tiveram desaceleração na média móvel de mortes pela doença na variação de 14 dias, enquanto o Amazonas apresentou alta.

Entre as regiões, o Centro-Oeste teve queda de -27%, Nordeste, de -34%, Sudeste, de -31% e Sul , de -18%. Somente o Norte (+20%) manteve aceleração.

Veja a oscilação nos estados:

Aceleração: AM

Estabilidade: AC, CE, MG, MS, MT, PA e PR

Queda: AL, AP, BA, DF, ES, GO, MA, PB, PE, PI, RN, RJ, RO, RR, RS, SC, SP, SE e TO

Apenas o Amazonas apresenta aumento na curva de mortes. São 19 unidades da federação com queda na curva de mortes e apenas sete mantendo a estabilidade.
Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *