O confronto caótico de Trump e Biden: justiça, raça e eleições limpas

O presidente Donald Trump e o ex-vice-presidente Joe Biden participaram de um debate presidencial em 29 de setembro que exemplificou a falta de civilidade na política americana.

O debate entre Biden e Trump no dia 29 de setembro de 2020

O presidente freqüentemente interrompia e falava sobre seu adversário, Biden disse a Trump para “calar a boca”, e poucas questões foram discutidas com profundidade suficiente para fornecer muitas informações aos eleitores indecisos.

Pedimos a três estudiosos que discutissem temas levantados pelo moderador Chris Wallace, da Fox News, que lutou durante todo o debate para manter o controle.

O Tribunal Supremo
Alison Gash, professora de Ciência Política da Universidade do Oregon

Wallace começou com uma pergunta na mente de muitos eleitores: Quem deve preencher a vaga deixada pela morte da juíza da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg?

Os democratas viam Ginsburg como a última linha de defesa dos direitos ao aborto, direitos de voto, a Lei de Cuidados Acessíveis, a ACA (“lei de atendimento médico financeiramente acessível” ou Obamacare,) e outras políticas tradicionalmente liberais. Trump nomeou a jurista conservadora e acadêmica Amy Coney Barrett para ocupar a cadeira de Ginsburg.

Trump já exerceu uma influência significativa sobre a bancada federal. Ele nomeou mais juízes federais de apelação do que qualquer presidente, desde Carter. Se Barrett for nomeada, ele terá preenchido mais vagas na Suprema Corte do que qualquer presidente desde Ronald Reagan e terá moldado o tribunal de maneiras que podem durar gerações.

Biden quase reconheceu a nomeação como uma causa perdida, voltando-se para uma das poucas áreas onde uma vitória de Biden poderia limitar a influência conservadora do Tribunal de Roberts – paralisando litígios em potencial sobre a Lei de Cuidados Acessíveis. A administração Trump apoiou pública e ativamente o litígio para derrubar a ACA. A juiza Barrett, Biden lembrou aos telespectadores, acredita que a ACA é inconstitucional. Mesmo com Ginsburg no banco, a ACA desfrutou apenas de um frágil apoio da corte. Biden deu a entender que a continuidade do litígio em uma Suprema Corte ainda mais conservadora poderia limitar a cobertura de saúde para milhões de americanos.

Biden mencionou Roe v. Wade – e a provável oposição de Barrett – apenas como uma reflexão tardia. Em resposta, Trump afirmou enigmaticamente: “Não há nada acontecendo lá. E você não conhece a opinião dela sobre Roe v. Wade. “

Em geral, o debate fez pouco para resolver questões sobre o futuro do tribunal – além de sustentar as indicações para a Suprema Corte como bombas políticas com consequências voláteis.

Protestos contra racismo, policiamento e vidas negras
Rashawn Ray, professor de Sociologia da Universidade de Maryland

“Por que os eleitores deveriam confiar em você … para lidar com a questão racial que este país enfrenta?”

Wallace fez uma pergunta direta sobre o estado preocupante das relações raciais na América, mas os dois candidatos responderam de maneiras muito diferentes. Biden destacou a “injustiça sistêmica neste país, na educação, no trabalho e na aplicação da lei” que requer uma abordagem baseada na equidade, igualdade, decência e na Constituição.

Trump mudou rapidamente para a “lei e ordem” e trouxe à tona a Lei do Crime de 1994, co-patrocinada por Biden – legislação que há muito tempo é criticada por contribuir para o encarceramento em massa desproporcional de negros americanos. Mas os anúncios recentes de Trump tentaram sugerir que a violência aumentará sob a presidência de Biden – paradoxalmente, mostrando imagens de agitação sob o atual governo Trump. Aparentemente, Trump queria atacar esse Biden “duro com o crime” dos anos 1990, ao mesmo tempo em que retratava seu rival como aliado do que o presidente gostaria que os eleitores acreditassem ser uma esquerda indisciplinada e violenta.

A realidade é diferente. Apesar de mais de 90% dos protestos de Black Lives Matter serem não violentos, muito do foco da mídia tem sido em menos de 10% das manifestações que se tornaram violentas. Este debate não fez nada para dissipar essa falsa narrativa.

Na verdade, parte da violência dos últimos meses foi cometida por extremistas de direita. Mas quando questionado diretamente para condenar a supremacia branca, Trump hesitou e parecia estar em busca de palavras. Em vez disso, ele enviou uma mensagem para os Proud Boys – um grupo considerado uma organização de ódio pelo Southern Poverty Law Center. Trump disse: “Proud Boys, recuem e fiquem parados. Mas vou te dizer uma coisa, alguém precisa fazer algo sobre a antifa e a esquerda.”

“Ele é o racista”, disse Biden durante suas réplicas.

Enquanto isso, na política de policiamento, Biden propôs uma reinvenção do século 21 para trazer vários interessados ​​para a mesa.

Mas assustadoramente para republicanos e democratas – e nem um pouco condizente com o debate em si – Trump e Biden parecem defender pontos de vista semelhantes sobre o movimento de redução de fundos da polícia [o movimento crescente em prefeituras do país visa a transferir recursos da superfinanciada polícia para políticas sociais para negros e populações discriminadas].

“Eu me oponho totalmente a tirar o dinheiro da polícia. Eles precisam de mais assistência ”, disse Biden durante o debate. Anteriormente, Trump havia declarado: “Não haverá desmantelamento de nossa polícia e não haverá qualquer desmantelamento de nossa polícia.”

A integridade da eleição
Alexander Cohen, professor de Ciência Política da Universidade Clarkson

Quando questionados sobre a integridade das cédulas de correio, Biden e Trump ofereceram respostas diferentes. Biden projetou fé no sistema de correspondência. Sem surpresa, Trump continuou a atacar a integridade de uma eleição usando cédulas pelo correio. Isso ecoa seu mantra em 2016, quando ele argumentou que a contagem do voto popular estava incorreta e fraudulenta – uma noção que foi amplamente desmentida.

Da mesma forma, a afirmação de que a votação por correspondência leva à fraude do eleitor tem sido amplamente contestada. A maioria dos estudos sugere que o voto pelo correio não beneficia uma das partes e que o voto pelo correio não é suscetível de manipulação.

No entanto, esses estudos sobre votação pelo correio tendem a examinar cenários em que os governos estaduais e locais estavam bem preparados para a distribuição das cédulas. A maior demanda por votação por correspondência provocada pelo Covid-19 está criando pelo menos alguma confusão entre os eleitores. É plausível que nem todos os estados estejam prontos para lidar com a enxurrada de votos por correspondência. Isso pode complicar o processo de votação e prolongar a contagem de votos em alguns estados.

Esses atrasos podem ser incrivelmente significativos. A última vez que um estado-chave lutou para contabilizar votos foi em 2000. Então, a Suprema Corte interveio para interromper uma recontagem na Flórida, entregando a vitória ao republicano George W. Bush sobre o democrata Al Gore em uma disputa presidencial acirrada.

Se as disputas sobre as cédulas pelo correio durarem além do dia da eleição, a Suprema Corte pode intervir novamente. Se a nomeada do presidente Trump para a Suprema Corte, Amy Coney Barrett, for rapidamente confirmada, os conservadores terão uma maioria de 6-3 no Tribunal. Três desses juízes terão sido nomeados por Trump.

Trump lançou as bases para contestar os resultados de qualquer eleição acirrada. Se nenhum dos candidatos vencer decisivamente, a nação deve se preparar para uma luta longa e divisiva.

Essa luta pode ser perigosa para a democracia americana porque pode minar a fé fundamental no processo eleitoral. Embora o estado de direito geralmente prevaleça quando há disputas de eleições apertadas, parece que os Estados Unidos podem estar caminhando para um território desconhecido.

Que pergunta você esperava ouvir hoje à noite que foi deixada de fora no meio deste debate caótico?

Cohen: Eu gostaria de perguntar: “Você acha que há consequências para a diminuição da civilidade na política americana, conforme demonstrado neste debate?”

Gash: Eu gostaria de ter visto uma pergunta sobre o papel do tribunal na preservação de freios e contrapesos. Isso é, o que eu acho, Wallace estava tentando chegar em sua pergunta sobre o pacote-da-corte. Mas a questão caiu por terra.

Ray: Os negros têm uma probabilidade desproporcionalmente maior de experimentar o uso da força pela polícia, mesmo quando estão desarmados e não estão atacando. Como podemos reduzir as disparidades raciais no uso da força – como com George Floyd e Breonna Taylor – e melhorar as relações entre as comunidades negras e as autoridades policiais?

Traduzido por Cezar Xavier


Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *