Mentiras e distorções de Trump no último debate

No debate presidencial dos EUA desta quinta-feira (22), o candidato à reeleição Donald Trump tentou de todas as maneiras desestabilizar Joe Biden, do partido Democratas

No último debate, Trump jogou uma mentira atrás da outra. Mas o democrata Joe Biden não mordeu a isca | Julio Cortez / AP

Ontem (quinta-feira, 22), quando houve o recorde de 77 mil pessoas infectadas com o coronavírus em um dia, o presidente Trump, sem apresentar nenhum plano para enfrentar com a pandemia, disse apenas: “Estamos aprendendo a conviver com isso”.

“Vamos lá”, respondeu Joe Biden, seu oponente no debate: “Estamos morrendo com isso.” Biden explicou, no debate sobre a pandemia, os planos detalhados que iria implementar, incluindo testes, rastreamento de contatos e investimento em pessoas, comunidades, escolas e pequenos negócios para que possam lidar com a doença e sobreviver economicamente. Ele condenou Trump e os republicanos por impedirem a legislação, a Lei dos Heróis, aprovada pela Câmara meses atrás.

Em quase todas as questões levantadas durante o debate, Trump lançou uma longa lista de declarações falsas, incluindo distorções, e mentiras.
Mentiras e distorções que abrangem tudo, desde o progresso na disponibilidade de uma vacina contra o coronavírus até o papel do movimento Black Lives Matter (BLM).

Trump acusou cidades e estados democratas de “altamente criminosos e mal administrados”. Cidades democratas onde há milhões de pessoas de cor e outros trabalhadores que sofrem mais com a pandemia do coronavírus e a depressão econômica que a acompanha. Biden observou que o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell (Republicano, Kentucky) bloqueou toda a ajuda aos desempregados e estados e cidades, prevista na Lei dos Heróis.

Trump disse que os manifestantes Black Lives Matter “estavam gritando” sobre os policiais, chamando-os de “Porcos”; “frite como bacon”- uma declaração feita por um manifestante de um grupo dissidente, que BLM logo repudiou. E Trump se esquivou completamente de uma pergunta que a moderadora negra do debate, Kristen Welker fez sobre a necessidade de conversa que os pais negros devem ter com seus filhos sobre como interagir com a polícia. “Eu entendo a questão … Há racismo institucional na América”, disse Biden, para quem, além da reforma da polícia, a oportunidade de acumular riqueza econômica precisa ser estendida aos negros e outras comunidades minoritárias. Trump “joga combustível em cada incêndio racista”, disse Biden. “Esse cara tem uma conversa mole que pode atrair alguns desavisados”, completou.

E assim foi: Trump vomitou acusações e mentiras, ou evitou perguntas; Biden contra-atacou com estocadas políticas, fatos e análises, antes de apelar, no final, para a melhor natureza das pessoas. “Você sabe quem eu sou. Você sabe quem ele é. Estamos nas cédulas. O caráter de nossa nação está nas cédulas ”, disse Biden, reprisando seu tema de campanha contra Trump.

Entre as mentiras de Trump e as réplicas de Biden, diferenças ocasionais apareceram em termos reais e factuais. Um tratava de uma questão fundamental para trabalhadores de baixa renda e negros: o aumento do salário mínimo federal para US$ 15 por hora. Seu valor é de US$ 7,25 há 11 anos. Biden defende o aumento. Trump, não. Biden explicou dizendo que ninguém deveria viver na pobreza. “US$ 15 e um sindicato” tem sido a principal bandeira trabalhadores de baixa renda de fast food, apoiados por sindicatos e outros trabalhadores precarizados, como os “empreiteiros independentes”.

O que não foi dito: mesmo $ 15 por hora e um emprego por família não são suficientes para manter uma família de três pessoas. Trump não mexeu no valor do mínimo federal. Ele disse que aumentos no salário mínimo prejudicariam as pequenas empresas, e “deveria ser uma opção do estado… O Alabama deveria ser diferente de Nova York. Em alguns lugares, 15 dólares não é tão ruim”, disse Trump, que se diz bilionário.

Apenas Alabama, Louisiana, Tennessee, Mississippi e Carolina do Sul têm o salário mínimo de $ 7,25. Em todos os outros estados e muitas cidades o valor é mais alto. Trump não mencionou o impacto óbvio de sua proposta salarial: os patrões, para os trabalhadores, se mudariam, como costumam fazer, para os Alabamas do país – para os estados de baixos salários que, não por acaso, também são anti-trabalhadores e anti-sindicais. Essas empresas e seus chefões, é claro, apoiam Trump.

A pandemia de coronavírus dominou grande parte da discussão, incluindo as diferenças dos candidatos sobre a abertura da economia apesar do vírus. Esse tópico foi responsável pela reclamação de Trump sobre cidades administradas por democratas.

Biden passou um tempo descrevendo como reconstruiria a economia onde 25 milhões de pessoas estão desempregadas devido ao fato de estados e cidades terem que fechar restaurantes, empresas, escolas, teatros e muito mais para combater a disseminação do vírus pela comunidade.

Em contraste, Trump disse que 99% das vítimas se recuperam. Mais de 8 milhões de pessoas, segundo dados oficiais, foram infectadas. Cerca de 225.000 morreram. Esses números, é claro, não correspondem à afirmação de Trump de que houve 99% de recuperação.

A economia seria reconstruída, disse Biden, por meio de um grande programa de empregos focado em “energia verde”, como projetos de energia eólica e solar e reforma de milhões de edifícios para torná-los eficientes em termos energéticos. E os trabalhadores desses projetos, acrescentou Biden, em uma saudação aos trabalhadores da construção, “receberiam o salário vigente” estabelecido por lei federal. Esses projetos, disse Biden, criariam milhões de empregos e levariam ao fim da dependência dos combustíveis fósseis até 2050.

Trump, em outra mentira, disse que o plano de Biden era realmente o New Deal Verde, impulsionado por “AOC e os outros três” – referindo-se a quatro parlamentares negras de primeiro mandato – chamadas “O Esquadrão”, liderado pela deputada socialista Alexandria Ocasio-Cortez (Democrata, Nova York). “Isso teria destruído nossos negócios”, acusou o morador da Casa Branca. “Dá um tempo”, disse Biden. Ele disse que seu plano “foi endossado por todos os grupos ambientais e trabalhistas. Eles sabem que [os projetos] vão criar empregos.”

Em outra mentira, Trump afirmou repetidamente que uma vacina para o coronavírus “está logo na esquina”, enquanto declarava que “se nada tivesse sido feito”, dois milhões de pessoas teriam morrido. Pressionado pela moderadora Welker a dar uma data para a vacina , Trump disse: “Eu não posso te dar uma data.” Quando ela exigiu nomes de empresas prestes a ter uma vacina pronta, Trump citou cinco grandes farmacêuticas, mas nenhuma disse que poderia colocar uma vacina no mercado dentro de semanas.

Biden, citando novamente cientistas apartidários cujos conselhos ele se comprometeu a seguir, disse que a vacina não estaria no mercado até meados do próximo ano, no mínimo, e que as pessoas ainda precisariam usar máscaras em público em 2021. E com os dados mais confiáveis ​​mostrando que o número de pessoas com teste positivo para o coronavírus agora excede ligeiramente a população da cidade de Nova York – os EUA lidera o mundo em numero de doentes e mortos com o vírus, disse Biden. “Duzentos e vinte mil cidadãos morreram. Qualquer pessoa responsável por não assumir o controle” da batalha para conter o vírus e seus danos “não deve permanecer como presidente dos EUA”, disse Biden.

“Pense no que ele sabia em 28 de janeiro”, lembrou sobre o dia em que a equipe de Trump o informou sobre a grande escala da ameaça do coronavírus. “Ele não disse ao povo dos EUA. Ele disse que não queria que entrássemos em pânico. O povo estadunidense não entra em pânico. Eu entrei em pânico”, afirmou Biden. “Ocorrem agora mil mortes por dia”, complementou.

Em seguida, ele criticou a recusa bem conhecida de Trump em usar o recurso antiviral mais eficaz, a máscara facial. Biden puxou sua própria máscara antivírus do bolso – ele a havia usado até chegar ao palco – e lembrou que o uso de máscara universal cortaria o contingente de mortes esperado nos EUA, onde o número cresce a partir de agora até 31 de dezembro de 2020.

Biden disse que seu plano antivírus invocaria a Lei de Produção de Defesa para forçar as empresas nos EUA a fabricar mais máscaras N95, respiradores, ventiladores e outros equipamentos de proteção individual para trabalhadores da linha de frente. Os sindicatos, liderados pelo National Nurses United (Sindicato Nacional de Enfermeiros) pressionaram por essa medida durante meses, mas Trump recusou.

Trump aproveitou para acusar Biden de querer “fechar o país”. “Vou acabar com o vírus, não o país”, respondeu Biden. A reabertura de empresas, escolas e outros locais de encontro, acrescentou Biden, ocorreria apenas quando e onde fosse seguro, e quando as escolas em particular tiverem o dinheiro de que precisam para produzir ações antivirais de distanciamento social: máscaras e verificação de temperatura para cada professor, aluno e funcionário, espaço entre as carteiras e turmas menores.

E a piada de Trump sobre estados e cidades azuis infestados de crimes levou Biden, vice-presidente por oito anos sob o primeiro presidente negro da nação, Obama, a retrucar, e não pela primeira vez, que se eleito, ele seria um presidente não apenas para estados azuis ou estados vermelhos, mas para todos os estados e todos os cidadãos nos EUA.

Qualquer ajuda adicional para famílias, escolas, estados, cidades e trabalhadores com problemas financeiros é improvável até depois da eleição de 3 de novembro. Está tudo na Lei dos Heróis aprovada pela Câmara, que o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, afundou, disse Biden. O candidato democrata destacou esse ponto na discussão econômica com Trump. Ele acusou o Partido Republicano, seu adversário, de medir a economia pelo crescimento no mercado de ações. Esse crescimento, embora Biden não o tenha dito, beneficia predominantemente o 1%, que ficam com cerca de quatro quintos da renda gerada nesses investimentos.

Biden diz que mede a economia da mesma forma que seu pai e seus vizinhos o fazem na Pensilvânia e em Delaware: pela maneira como afeta as famílias trabalhadoras e seus problemas, como a forma de pagar o aluguel ou as despesas médicas. O projeto de lei de ajuda, declarou Biden, vai ajudá-los. O Partido Republicano, lembrou aos ouvintes, se opõe a isso.
E Biden, ao contrário de Trump, submeteria uma reforma abrangente da imigração, eventualmente legalizando cerca de 11 milhões de pessoas nos EUA, junto com o fim total do medo para os 700 mil “sonhadores”. Estes grupos, disse Biden, contribuem para a economia e a sociedade.

Trump também se esquivou dessa pergunta. Em outro arenga racista, ele elogiou as 400 milhas de seu muro mexicano racista – algumas das quais já caíram e a maioria substituiu as cercas existentes. Trump também afirmou que 540 crianças roubadas de suas famílias na fronteira dos EUA com o México foram trazidas por gangues e “coiotes”, não por seus pais. Biden denunciou a separação dos filhos de suas mães e pais e prometeu usar todos os meios para reunificá-los. E quando Trump acusou a administração Obama-Biden de erguer “gaiolas” no México para deportados – uma mentira absoluta – Biden respondeu “Vamos lá, cara”. Biden descreveu a política de Trump de separar pais e filhos na fronteira como “criminosa”.

Trump aproveitou suas tentativas de se concentrar em falsas acusações de que Biden havia ganhado dinheiro com supostos atos de corrupção cometidos por seu filho Hunter na Ucrânia. Biden o lembrou que o debate e a discussão não eram sobre suas respectivas famílias, mas sim sobre as necessidades do povo dos EUA.

Desesperado por sua má posição nas pesquisas, Trump espera que algo como a investigação do FBI sobre os e-mails de Hillary Clinton seja divulgada no último minuto. Infelizmente para ele, uma nação que enfrenta uma pandemia tem muito menos interesse nos detalhes complicados de um caso em que os Bidens já foram inocentados do que em encontrar uma maneira de sobreviver a um presidente que foi um fracasso colossal.

(*) Mark Gruenberg dirige o escritório de “People’s World” em Washington.

Fonte: People’s World

Autores

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *