Com 264 no colégio eleitoral, Biden só precisa de Nevada para vencer

Mesmo que o democrata vença, os próximos dias prometem ser tumultuados. A equipe de Donald Trump já anunciou que pedirá recontagem no Wisconsin.

Joe Biden e Kamala Harris compõem a chapa Democrata

O candidato à presidência dos Estados Unidos Joe Biden, do Partido Democrata, venceu nos estados-chave Wisconsin e Michigan e alcançou 264 votos no colégio eleitoral. Isso significa que ele só precisa de mais seis votos de delegados para alcançar o número mágico de 270 votos, que garante a vitória nas eleições norte-americanas. É exatamente o número de delegados garantido pelo estado de Nevada, onde a apuração ainda não terminou e o democrata lidera por margem estreita.

Segundo o site Politico, Biden tem 49,3% contra 48,7% de Donald Trump no Nevada, com cerca de 75% dos votos apurados. Mesmo que Biden vença, os próximos dias prometem ser tumultuados. A equipe de Donald Trump já anunciou que pedirá recontagem no Wisconsin. Trump deu uma declaração na noite de ontem em que declarou vitória com a apuração ainda em curso e denunciou, sem provas, uma suposta fraude eleitoral. Nesta quarta (4), reafirmou isso em posts no Twitter.

Biden, por outro lado, procura distensionar o ambiente e já tem um discurso parecido com o de presidente eleito. “Para progredir, temos que parar de tratar nossos oponentes como inimigos. Nós não somos inimigos. O que nos une como americanos é muito mais forte do que qualquer coisa que possa nos dividir. Eu estou concorrendo como um democrata orgulhoso, mas vou governar como um presidente americano. A presidência, em si, não é uma instituição partidária”, afirmou em pronunciamento em vídeo divulgado há cerca de uma hora.

Segundo Victor Young, professor doutor do Centro de Relações Econômicas Internacionais da Unicamp, é difícil saber o quanto a judicialização pretendida por Donald Trump e seus aliados pode ter resultados que favoreçam o republicano. “Eles [Republicanos] vão precisar de dinheiro e vão ter que entrar estado por estado. Não existe uma justiça federal eleitoral. Também tem a possibilidade de levar a eleição para a Suprema Corte decidir se houve ou não fraude”, diz.

Embora o voto pelo correio não seja uma novidade, o sistema foi ampliado devido à pandemia. Trump está usando essa ampliação para insinuar que a votação não seria segura. “O Trump se utiliza de todo e qualquer subterfúgio para vencer o pleito. Acredito que está levando para o tudo ou nada, tentando, inclusive, questionar o processo e as leis americanas”, destaca Young.

Seja qual for o resultado final, o analista diz que já é possível afirmar que foi um pleito muito concorrido, em que Biden não manteve as margens confortáveis que lhes davam as pesquisas em alguns estados. “De novo, as pesquisas erraram. Acredito que é porque não dá pra saber se a pessoa que falou que vai [votar] vai mesmo. Existe uma intenção de voto, se vai se concretizar é outra coisa. Tinha pesquisa que dava até 10 pontos de diferença para o Biden e o que a gente vê é que a batalha está bem acirrada, até mesmo no voto popular”, comentou.

Outra conclusão a partir dos resultados apurados até agora é que, mesmo desgastado, Trump ainda tem uma base de apoio forte. “Ele tem uma base política bastante sustentável. Isso era mostrado pelas pesquisas de opinião, que o governo dele vinha sendo aprovado. Ele estava registrando, para a mesma época do mandato, uma popularidade de 48%, bem próximo de outro presidente bastante popular, que foi o Obama. Trump pegou o embalo da recuperação da crise de 2007, 2008. A população vinha percebendo progressivamente uma melhora econômica. O que aconteceu foi o advento da pandemia, que afetou os resultados da economia”, destaca Victor Young.

Na avaliação dele, para deixar para trás a radicalização trazida por Trump e seus apoiadores de extrema-direita, um eventual governo Biden terá de procurar atender às necessidades de uma população empobrecida por políticas neoliberais. “Se um eventual governo Biden não der uma resposta a essas ansiedades, pode voltar tudo de novo. Não precisa ser um Trump, pode voltar qualquer tipo de radical”, conclui.

Autor

Um comentario para "Com 264 no colégio eleitoral, Biden só precisa de Nevada para vencer"

  1. Darcy Brasil disse:

    Correção: não tem 264 delegados, mas 253. Os 11 delegados do Arizona podem ir para Trump. As chances de Trump vencer aumentaram expressivamente. Parece estar havendo também manipulação de projeções por parte de apoiadores de Biden. A diferença no Arizona vem caindo e Trump pode levar os 11 delegados. Em contrapartida, Biden vem tirando a vantagem na Pensilvânia na razão de 3 para 1 voto., podendo levar os 20 delegados desse estado. Resta esperar e torcer para o fascismo ser derrotado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *