Como é perder uma eleição presidencial

O público americano pode não descobrir quem ganha a eleição presidencial em 3 ou 4 de novembro ou mesmo 5 de novembro. Mas, em algum momento, saberemos se o republicano Donald Trump foi eleito para um segundo mandato ou se o democrata Joe Biden será o próximo presidente.

Para o vencedor da eleição, o momento da vitória traz alegria desenfreada e aclamação, aplausos, risos, abraços e champanhe para comemorar o maior prêmio da política.

Isso não é verdade para o perdedor, que deve, em última instância, aceitar a responsabilidade pela derrota.

Em meu livro, “A Arte da Destruição Política”, conto a história de Thomas Dewey, o candidato presidencial republicano em 1948, que estava fortemente favorecido para vencer a eleição – apenas para no final perder para Harry S. Truman, o titular.

Na noite da eleição, de acordo com uma história, Dewey, o governador de Nova York, perguntou à esposa: “Qual será a sensação de dormir com o presidente dos Estados Unidos?”

“Uma grande honra”, respondeu sua esposa, “e francamente, querido, estou ansiosa por isso.”

Mas Truman ganhou a eleição. No dia seguinte, no café da manhã, segundo a história, a esposa de Dewey disse: “Diga-me, Tom, estou indo para a Casa Branca ou Harry virá aqui esta noite?”

Uma queda decepcionante

Perder a presidência é uma derrota esmagadora. As horas incalculáveis ​​de discursos, campanhas e arrecadação de fundos deram em nada. O candidato sente que decepcionou os milhões de pessoas que acreditaram nele, que contribuíram para a campanha, que votaram nele e que pensaram que iam ganhar.

A dor associada à perda da eleição presidencial permanece por muito tempo. Doze anos depois de George McGovern perder a eleição presidencial de 1972 em uma vitória esmagadora para Richard Nixon, ele foi questionado sobre quanto tempo demorou para se recuperar. “Avisarei você quando chegar lá”, disse McGovern.

Depois de perder a eleição presidencial de 2008, John McCain disse que dormia como um bebê: “Durmo duas horas, acordo e choro”, disse ele, acrescentando “durmo duas horas, acordo e choro”.

Em 2016, a candidata democrata Hillary Clinton acordou no dia da eleição líder na maioria das pesquisas e pensou que se tornaria a primeira mulher presidente. Quando o dia acabou, essas esperanças haviam desaparecido e, na manhã seguinte, quando ela chamou seu oponente Donald Trump para admitir a derrota, essas esperanças haviam desaparecido por completo.

“Este não é o resultado que queríamos ou pelo qual trabalhamos tanto”, disse Clinton a seus apoiadores. “Eu sei o quanto você se sente desapontado, porque eu também sinto … Isso é doloroso e vai ser por muito tempo.”

Concessões são difíceis

Quando uma pessoa se comprometeu tanto a concorrer à presidência por tanto tempo, não é fácil desistir. Nas primeiras horas da noite da eleição de 2000, o então vice-presidente Al Gore cedeu em um telefonema a seu oponente republicano, George W. Bush, e retirou a admissão em outro telefonema quando os resultados no decisivo estado da Flórida pareceram incertos. Trinta e seis dias se passaram antes que a vitória de Bush fosse confirmada pela Suprema Corte dos EUA.

Em seu livro de 2017, intitulado “What Happened”, o próprio título uma declaração de descrença, Hillary Clinton lembrou de ter chamado Donald Trump para admitir a eleição. Ela disse que se ofereceu para ajudá-lo de qualquer maneira que pudesse. “Foi tudo perfeitamente bom e estranhamente comum, como ligar para um vizinho e dizer que você não pode ir ao churrasco dele”, escreveu ela. “Foi misericordiosamente breve … Eu estava entorpecida. Foi tudo tão chocante.”

A eleição presidencial de 1960 entre o democrata John F. Kennedy e Richard M. Nixon, o vice-presidente republicano, continua sendo uma das mais disputadas da história. Nixon disse que foi aconselhado pelo presidente Dwight Eisenhower a contestar os resultados por causa da trapaça dos democratas, mas recusou, disse ele, porque isso causaria uma “crise constitucional” e “separaria o país”. Isso, ele acrescentou, resultaria em ser chamado de “perdedor ressentido” e colocaria em risco qualquer chance de ele concorrer à presidência novamente.

Quando Nixon concorreu à presidência em 1968, foi eleito e reeleito em 1972, antes de renunciar em desgraça em 1974. Nixon foi a última pessoa que ganhou a nomeação de seu partido depois de perder uma eleição presidencial.

Depois da perda

Mas se há pouca esperança de uma nova tentativa de chegar à presidência, os candidatos perdedores encontraram um segundo ato na política americana.

O presidente Jimmy Carter, que foi derrotado por Ronald Reagan quando buscou a reeleição em 1980, tornou-se um ativista internacional de direitos humanos e ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2002. Gore tornou-se ambientalista e dividiu o Prêmio Nobel da Paz de 2007 e um Oscar de melhor documentário em 2007 para um exame pioneiro das mudanças climáticas.

John Kerry, que perdeu para George W. Bush em 2004, tornou-se secretário de Estado no governo Barack Obama. John McCain, que perdeu para Obama em 2008, permaneceu no Senado dos EUA. Mitt Romney, que perdeu para Obama em 2012, agora atua no Senado dos EUA.

A transferência de poder

Perder é difícil, mas perder como titular, como Carter e George H.W. Bush, provavelmente é mais difícil. Mas Carter e Bush compreenderam a importância da transição pacífica de poder.

O presidente Donald Trump duvidou repetidamente se aceitará os resultados da eleição e se entregará pacificamente o poder se perder para Biden. Isso poderia muito bem resultar na crise constitucional a que Nixon se referiu.

No início de 2020, quando as primárias democratas ainda estavam acontecendo, Trump novamente expressou sua relutância em desocupar a Casa Branca – o que atraiu uma resposta de Pete Buttigieg, que acabou perdendo a indicação democrata para Biden. Buttigieg disse que teve uma ideia para lidar com Trump, brincando: “Se ele não for embora, acho que se ele está disposto a alguns afazeres, podemos arrumar umas tarefas.”

Chris Lamb é professor de Jornalismo da IUPUI

Tradução por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *