A África do Sul falhou em se unir para obter vacinas

O governo sul-africano apostou na iniciativa Covax, que absorveu parte dos recursos de uma economia frágil, para ajudar países mais pobres. Agora, está sem vacina, não fez acordos bilaterais com fabricantes e é tarde para para fazê-los, pois muitas das vacinas já estão comprometidas com países que se anteciparam.

Ministro da Saúde da África do Sul, Dr. Zweli Mkhize (centro). O governo tem sido criticado por não ter um plano de ação de vacinas.

A África do Sul tem uma população estimada em 60 milhões. Para obter imunidade coletiva contra Covid-19, o governo recentemente estabeleceu a ambiciosa meta de vacinar 67% da população – cerca de 40 milhões de pessoas. De acordo com o esboço deste plano, isso seria alcançado em 2021.

Mas essa meta ambiciosa é mesmo viável?

Em minha opinião, a estratégia proposta para a Covid-19 não é uma estratégia, mas sim um objetivo aspiracional. E um pouco irrealista nisso.

O problema é que o governo estabeleceu uma meta de imunizar dois terços da população, mas ainda não garantiu os 80 milhões de doses que isso exigiria.

Isso é o que sabemos. A África do Sul se comprometeu a comprar vacinas suficientes para cerca de 10% da população por meio das instalações da COVAX – cerca de 12 milhões de doses. A instalação é uma colaboração global para acelerar o desenvolvimento, fabricação e distribuição “equitativa” de novas vacinas. Essas vacinas provavelmente estarão disponíveis a partir de fevereiro e se espalharão ao longo dos próximos meses.

O Departamento de Saúde também indicou que 20 milhões de doses da vacina provavelmente serão recebidas até o final de junho ou julho. Como tal, parece que o governo teve sucesso na aquisição de mais 6,5 milhões de vacinas adicionais da instalação da COVAX e adquiriu cerca de 1,5 milhão de doses do Serum Institute of India (SII), que está produzindo a vacina Astra Zeneca. As primeiras 1,5 milhão de vacinas do SII foram destinadas à imunização dos profissionais de saúde durante a primeira fase do lançamento da vacina COVID.

Mas há muita coisa que permanece obscura. Por exemplo, como serão cobertos as injeções para 1,2 milhão de trabalhadores em unidades de saúde, dado que 1,5 milhão de doses atribuídas só podem atingir 750.000 deles. Isso significa que precisaria haver alguma priorização de qual equipe vacinar nas unidades de saúde.

Portanto, além da realidade de que o país ainda não tem os 80 milhões de doses da vacina necessárias para 40 milhões de pessoas, houve muito pouco planejamento sobre como essas vacinas serão implantadas. Isso ficou claro nas últimas quatro semanas, quando o governo foi atacado por não ter um plano.

Parece que o governo colocou todos os seus ovos em uma única cesta e decidiu se concentrar apenas na aquisição de vacinas por meio da instalação da COVAX, e só começou a se envolver em discussões bilaterais significativas com os fabricantes nas últimas semanas.

O Departamento de Saúde criou agora uma equipe de trabalho para examinar as questões operacionais. Um bom lugar para essa equipe começar seria fazer uma verificação da realidade a fim de definir metas e prazos mais alcançáveis. A equipe também deve começar a ampliar sua abordagem para aproveitar o potencial do setor privado e da sociedade civil para implantar a vacina.

Checagem da realidade

O governo prevê três fases de imunização. A primeira é direcionada aos profissionais de saúde. A segunda iria expandir a implantação para trabalhadores essenciais – pessoas envolvidas no gerenciamento de desastres, como bombeiros – indivíduos com mais de 60 anos e pessoas com comorbidades que correm um risco particularmente maior do que a maioria. No total, 16,5 milhões de pessoas são visadas nesta fase.

Na terceira fase, a população em geral maior de 18 anos seria o alvo – um total de 22,5 milhões de pessoas.

Isto é mais fácil dizer do que fazer. Os profissionais de saúde são relativamente fáceis de alcançar. Mas eu não estou convencido de que a logística está em vigor para ser capaz de alcançar substancialmente – mesmo apenas para indivíduos com mais de 65 anos e aqueles com comorbidades. Sem um planejamento adequado, as vacinas acabam presas em depósitos simplesmente porque a logística não foi tratada em termos de como implantá-las.

Mesmo supondo que o governo adquira 80 milhões de doses de vacina para os 40 milhões visados, é improvável que elas estejam disponíveis em quantidades substanciais até abril. E supondo que o governo começasse a vacinar as pessoas a partir de 1º de abril, 150.000 pessoas teriam que receber a vacina todos os dias, sete dias por semana, durante o primeiro mês. E depois disso, esse número teria que subir para 300.000 pessoas a cada dia até o final de 31 de dezembro de 2021, pois a maioria das vacinas exigiria um esquema de duas doses.

Nenhum outro país além de Israel chegou perto de 150.000 injeções por dia, muito menos 300.000. Mesmo países como o Reino Unido e os EUA têm lutado para vacinar até 50.000 por dia.

Além disso, como nenhuma das vacinas COVID-19 está autorizada para uso em crianças menores de 16 anos, que representam cerca de 30% da população sul-africana, a meta de vacinar 40 milhões de sul-africanos exigiria imunização de cerca de 95% dos todos os adultos na África do Sul. Considerando que uma pesquisa recente da Ipsos com adultos sul-africanos indicou que apenas cerca de 53% dos adultos estariam dispostos a ser vacinados – e é improvável que a vacinação COVID-19 se tornasse obrigatória – a aspiração de imunizar 40 milhões de sul-africanos até o final de 2021 é improvável que se materialize.

Uma meta mais realista é vacinar cerca de um terço da população. Isso representa cerca de dois terços da população adulta, mas não dois terços da população sul-africana. Mas mesmo para que isso funcione, seria necessário haver descentralização em termos de funções e responsabilidades. Se o país depender exclusivamente do controle do setor público na distribuição das vacinas COVID-19, ele falhará terrivelmente.

Por esse motivo, é fundamental que o setor privado assuma um papel de liderança no ponto de entrega. Quando se trata da distribuição de vacinas, o setor privado com médicos de clínica geral e um grande número de farmácias têm um alcance muito melhor em termos de acesso aos sul-africanos do que as clínicas de saúde pública.

O setor privado – sejam grandes farmácias ou médicos de clínica geral – precisa mostrar solidariedade social. Devem, por exemplo, garantir que qualquer pessoa possa entrar e ser imunizada sem ter que pagar. Sem isso, haverá desigualdade.

O que deu errado

A confusão atual decorre de dois erros no ano passado. A primeira foi a decisão do governo de buscar – exclusivamente – o acesso à vacina por meio da instalação da COVAX. A COVAX foi criada para garantir que os países possam obter vacina suficiente para pelo menos 20% da população. O mecanismo de preços embutido na facilidade de acesso equitativo significa que as economias maiores pagariam um prêmio para subsidiar as economias pobres.

A África do Sul viu-se obrigada a pagar US$ 12 a US$ 13 por dose como um país de renda média alta para participar da instalação da COVAX. Isso é mais de três vezes o custo de aquisição da vacina diretamente da AstraZeneca (ou Serum Institute of India) ao preço vigente de US$ 3 por dose.

A participação na iniciativa facilitadora COVAX expressa solidariedade social com os países com menos recursos, cujo custo por unidade é subsidiado por países mais ricos e organizações filantróficas. Mas a iniciativa é amplamente agnóstica em relação à realidade das terríveis dificuldades da economia da África do Sul.

O segundo erro é que o governo agravou o problema por não se envolver em acordos bilaterais diretamente com os fabricantes por meio de um mecanismo avançado de compromisso de mercado. Muitos outros países, incluindo países de renda média, fizeram isso assim que as vacinas entraram nas fases dois e três dos testes.

Só recentemente – após o alvoroço público – o governo parece ter sido ativado para se envolver em discussões bilaterais substantivas. O problema é que é um pouco tarde demais. Muitas das vacinas, que foram autorizadas para uso na América do Norte e Europa, para serem produzidas nos próximos 6 meses, já estão destinadas a outros países que fizeram compromissos anteriores.

Como resultado, a África do Sul provavelmente experimentará mais uma ou duas ondas de Covid-19, antes que uma proporção substancial da população tenha sido imunizada.

Shabir A. Madhi é Professor de Vacinologia e Diretor de SAMRC Vacinas e Unidade de Pesquisa Analítica em Doenças Infecciosas da Universidade de Witwatersrand (Johannesburgo)

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *