“No domingo, vamos ter eleições seguras”, afirma Ministro da Justiça

Anderson Torres afirmou que a população estará segura para “exercer o direito de votar e livre transitar” e ressaltou que “não estamos indo para uma guerra”

Ministro da Justiça, Anderson Torres | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, disse em coletiva concedida na manhã neste sábado (1º/10) que as eleições deste domingo serão “seguras” e que 500 mil agentes de segurança, entre policiais civis, militares e federais estarão prontos para garantir a seguridade da votação. A informação é portal O Globo.

“No domingo, nós vamos ter eleições seguras. A segurança nós vamos dar à população brasileira, para que o povo possa exercer o seu direito de votar, livre transitar nas ruas do nosso país. O Ministério da Justiça e Segurança Pública vai coordenar por meio da Secretaria de Operações Integradas essa operação”, disse Anderson Torres.

Proibição de armas

Ao ser questionado sobre a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que impede porte de armas durante as eleições, Torres afirmou que é uma regra “difícil de ser cumprida”.

“É uma regra muito difícil de ser cumprida. Acho que as regras, antes de a gente fazer, a gente tem que ter muito cuidado antes de criar regras e criar dificuldades. Imagina cumprir isso, nessa quantidade de urnas, com mais de 90 mil postos de votação. Mas estaremos atentos a isso e o que interessa é fazer uma eleição segura”, afirmou Torres.

De acordo com a proposta aprovada pelo TSE é proibido o transporte de armas e munições em todo território nacional por parte dos CACs, sob pena de prisão em flagrante, em caso de descumprimento, por porte ilegal de arma.

A proibição vale para a véspera, para o dia de votação e para as 24 horas do dia seguinte às eleições. As medidas têm por objetivo evitar casos de violência diante do cenário de polarização política e provocação entre adversários.

Diante disso, o ministro disse ainda que não tem como fazer previsão de confronto. “Não estamos indo para uma guerra, estamos indo para eleição”.

Crimes eleitorais

Segundo a pasta, desde segunda (26), a “Operação Eleições” efetuou 34 prisões no país relacionadas a crimes eleitorais e, desde o início da campanha, em agosto, já foram apreendidos R$ 3 milhões. Só neste sábado, véspera do primeiro turno, 11 pessoas foram presas e R$ 90 mil foram apreendidos pela Polícia Federal em todo o país, informou o ministério. Desses, sete casos foram de crimes eleitorais relacionados a compra de votos.

Durante o domingo (2), o ministério centralizará as informações sobre detidos por propaganda irregular, boca de urna, compra de votos e outras práticas vedadas pela legislação eleitoral.

__
Com informações do jornal O Globo

Autor