A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: jovens negros

Assassinatos de negros crescem 23% e de brancos caem 6% em 10 anos

A violência letal intencional no Brasil cresce contra negros (pretos e pardos) e regride contra não negros (brancos, amarelos e indígenas), segundo revelam os dados do Atlas da Violência 2018, que traz dados do Ministério da Saúde e foi divulgado nesta terça-feira (05) por Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Jovens negros continuam sendo as maiores vítimas da polícia de SP

Apesar de não ser novidade que jovens negros são as maiores vítimas da Polícia no estado de São Paulo, os dados do Fórum Brasileiro de Segurança, divulgados nesta quinta (17), reafirmam essa realidade. De acordo com a pesquisa – que engloba dados de 2014 a 2016 – 16% dos mortos por policiais tinham menos de 17 anos, o dobro da proporção dos de homicídio geral (8%). E, além disso, 67% das vítimas fatais de ações policiais eram pretos ou pardos.

Por Verônica Lugarini

“Auto de resistência é licença para matar”, diz Paulo Teixeira

Deve ser votado, nas próximas semanas, em plenário da Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 4471/12, de autoria do deputado Paulo Teixeira, que acaba com o termo “auto de resistência” e “resistência seguida de morte”. Além disso, o texto, caso aprovado, garante que toda morte causada por agentes públicos seja devidamente investigada.

Matança de jovens: A cada dois dias, explode uma boate Kiss no Brasil

O Brasil é hoje um dos países que mais mata jovens no mundo. A maior parte deles são do sexo masculino, negros e pobres, moradores nas periferias das grandes cidades. Segundo o relatório Mapa da Violência 2016, foram mortos mais de 25 mil jovens entre 15 e 29 anos por armas de fogo no Brasil, em 2014, o que representa um aumento de quase 700% em relação a 1980, quando o número de mortes nessa faixa etária foi pouco mais de 3 mil.

Por Marco Weissheimer*, no Sul21

Sobre o extermínio da juventude negra, geopolítica e comunicação

Em recente colaboração para o debate crítico da Nação Hip Hop Brasil, organização de origem periférica a qual tenho orgulho de pertencer, escrevi um ensaio sobre a eleição estadunidense, apontei alguns caminhos para a compreensão do efeito Trump, e suas correlações mundiais, a direitização do mundo ocidental, o endurecimento com as Maiorias Minorizadas e o retrocesso das políticas progressistas conseguidas nos últimos anos, especialmente para a gente base da pirâmide aqui da América Latina.

Caminhada pela Vida pede fim do genocídio de jovens negros em SP

A 21ª Caminhada pela Vida e pela Paz ocupou as ruas do extremo sul da capital paulista na última quarta-feira (2) pedindo o fim do genocídio contra jovens negros e contra a população das periferias. A passeata, organizada pelo Fórum em Defesa da Vida, reuniu familiares de vítimas, militantes e simpatizantes da causa e seguiu da Paróquia Santos Mártires, no bairro de Jardim Ângela, até o Cemitério Jardim São Luís.

O Brasil que mata seu futuro a bala

A cada 24 horas, 29 crianças e adolescentes entre 1 e 19 anos de idade são assassinados no Brasil, uma sala de aula inteira morta por dia. A grande maioria das vítimas é negra. Ao final de um ano, a contagem chega a 10.520 vítimas fatais.

A chacina de Costa Barros e um habeas corpus que tira nossa esperança

Pais, parentes e amigos sentiram o peso da mão do Estado após verem noticiados pelos veículos de comunicação que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus para os quatro PMs, presos preventivamente, que foram responsáveis pela chacina de Costa Barros.

Por Walmyr Júnior*, no JB

Anistia Internacional vê Direitos Humanos desrespeitados no Brasil 

A Anistia Internacional divulgou na terça-feira (23) o relatório “Estado dos Direitos Humanos”, de 2015. O relatório observa inúmeras ameaças e desrespeito contundente aos Direitos Humanos no Brasil, um dos piores entre os 160 países analisados.

Justiça Global pede federalização da Chacina do Cabula

Um ano após a morte de 12 jovens negros no bairro de Cabula, em Salvador, e da absolvição dos policiais envolvidos no caso, a organização não governamental Justiça Global pede que a Procuradoria-Geral da República (PGR) assuma o caso. Os jovens foram assassinados com 88 tiros, mas os policiais foram absolvidos com a alegação de que agiram em legítima defesa após confronto.

“Fim dos autos de resistência”: Temos realmente o que comemorar?

Nos últimos dias, veicula-se nas redes sociais e meios de comunicação em geral o “fim dos autos de resistência”. Essa informação deriva daquilo que consta na Resolução Conjunta nº 2, de 13 de Outubro de 2015 do Conselho Superior de Polícia e do Conselho Nacional dos Chefes da Polícia Civil, publicada no Diário Oficial da União do dia 4 de janeiro de 2015.

Por Cristian Ribas* e Rodger Richer*

Mídia radical articula ações contra o genocídio de jovens negros

Há um componente novo no cenário das mídias de oposição: a emergência de uma rede de produção de conteúdo em mídias radicais, montada pelas organizações sociais de jovens afrodescendentes, nas periferias das grandes cidades.

Por Juarez Xavier*, para o Portal Vermelho

1 2