Cuba: a vacina de coronavírus mais avançada da América Latina

A política de fabricação e aplicação de vacinas é apenas uma das etapas de um sistema de saúde abrangente que é um exemplo no mundo.

Foto:Télam

Se não fosse pela premissa não escrita do jornalismo hegemônico de que tudo de bom em Cuba não é contado, seria surpreendente que a notícia tenha passado praticamente despercebida: hoje em dia, a vacina “Sovereign 01” iniciou ensaios clínicos em humanos e foi o primeiro na América Latina – e em todo o chamado “mundo subdesenvolvido” – a avançar para essa segunda fase.

Até o momento, há 167 vacinas potenciais registradas contra a Covid-19 . A cubano se juntou a outras 29 que a Organização Mundial da Saúde (OMS) já aprovou para estudos clínicos, seis dos quais estão na fase 3, os testes em grande escala em humanos. Na América Latina há mais uma dúzia de vacinas em desenvolvimento, mas, com exceção da cubana, todas estão na fase pré-clínica.

A vacina candidata que a ilha produz está caminhando com firmeza. Desde o início dos testes clínicos em 24 de agosto, “não há registro de nenhum evento adverso sério após a aplicação nos primeiros 20 voluntários” , tuitou Dagmar García Rivera, diretor de pesquisa do Instituto Finlay, centro científico do estado cubano que dirige o projeto. A amostra incluirá 676 pessoas com idades entre 19 e 80 anos e os resultados estão previstos para o dia 1º de fevereiro. Caso os testes sejam exitosos, Cuba terá sua própria vacina contra o coronavírus à disposição da população no primeiro trimestre de 2021.

O desenvolvimento da vacina segue em passo firme e acelerado. “O que normalmente é feito em anos, foi alcançado em pouco menos de três meses”, diz Vicente Vérez Bencomo, CEO da Finlay. Na fase de desenvolvimento farmacêutico e estudos pré-clínicos em animais apresentou baixo risco, poucas incertezas e resultados animadores”. Com base nesses indicadores iniciais, em 28 de julho a vacina foi testada em três de seus pesquisadores, que também apresentaram alta resposta imunológica.

Que Cuba esteja marchando, mais uma vez, na vanguarda no campo científico-sanitário é o resultado de uma longa experiência acumulada em medicina preventiva, imunização em massa e no desenvolvimento de uma indústria biotecnológica de inegável prestígio internacional. Desde o triunfo da Revolução em 1959, foi promovida a formação profissional nas universidades e criado um Polo Científico com o objetivo de conciliar a pesquisa com a produção.

A fabricação de vacinas é uma das conquistas mais significativas: Cuba produz oito das onze vacinas de seu programa nacional de imunização, que tem uma cobertura de mais de 98% e, claro, é gratuito e universal. Em 1962, foi realizada a primeira campanha de vacinação, com a qual se tornou o primeiro país a erradicar a poliomielite. Um dos marcos do país foi conseguir, em 1990, uma vacina própria contra a Hepatite-B, conseguindo praticamente a erradicação  dessa doença. E um fato digno de nota: a plataforma de pesquisa médica cubana, formada por 32 empresas estatais com mais de 10.000 trabalhadores dedicados à produção de medicamentos e vacinas, é composta em sua maioria por mulheres.

Soberania, a palavra chave

Conseguir uma vacina 100% nacional em um país com grandes limitações econômicas – principalmente devido ao bloqueio dos Estados Unidos – é de vital importância. O presidente Miguel Díaz-Canel destacou o conceito que denomina e decifra “Soberano 01”: “O nome da vacina reflete o sentimento de patriotismo e compromisso revolucionário e humanista com que tem trabalhado. Explorações como essas reafirmam nosso orgulho de ser cubanos”.

A política de fabricação e aplicação de vacinas é apenas uma das etapas de um sistema de saúde abrangente que é um exemplo no mundo. Em 1959, Cuba tinha apenas 6.000 médicos e hoje tem mais de 100.000, o maior número por habitante da América Latina e um dos maiores do mundo. É também o único país da região que eliminou a desnutrição infantil grave: nenhuma das 146 milhões de crianças abaixo do peso que vivem no mundo hoje é cubana.

A ênfase na medicina preventiva também foi fundamental para o controle do coronavírus . Depois de quase seis meses de pandemia, Cuba registra pouco mais de 4 mil infecções e apenas 95 mortes; uma das menores taxas de mortalidade do mundo, com 8 mortes por milhão de habitantes (a mais alta é o Peru com 871).

A formação em saúde da ilha tem seu bastião universal na Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM), onde em 20 anos se formaram 7.248 médicos de 45 países, incluindo cerca de 200 americanos.

Talvez essa solidariedade internacionalista seja a principal marca do modelo cubano. As brigadas médicas, que estão implantadas há seis décadas em todo o mundo, atuaram em todos os desastres naturais e epidemias (do terremoto de 1960 no Chile ao Ebola na África). Antes da pandemia, havia cerca de 30 mil profissionais de saúde prestando serviço em 61 países, aos quais se juntaram 46 brigadas que saíram este ano para colaborar na luta contra a Covid-19. Portanto, não parece loucura a proposta que ganha força de conceder ao “exército de avental branco” – como o chamou Fidel Castro – o Prêmio Nobel da Paz.

Fonte: Pagina12

Autor

3 comentários para "Cuba: a vacina de coronavírus mais avançada da América Latina"

  1. pablo disse:

    tudo bem? gostei muito do seu site, parabéns pelo conteúdo. 😉

  2. Gostei do assunto de sua divulgação, gostaria de ver se é pertinente para meu site.

    Sds.

  3. Olá, achei interessante sua puplicação e gostaria de ver se é pertinente colocar neste site:

    http://www.planosdesaudehdm.com.br

    Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *