Bolsonaro, não é a sua fala, é a sua prática, por Vanessa Grazziotin

E a sua prática só tem retirado direitos dos trabalhadores, aposentados e pensionistas

Idosos de baixa renda recebem o BPC - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nesta última terça-feira, dia 15, praticamente todos os jornais do Brasil, telejornais e rádios noticiaram o desejo do governo federal – sobretudo da equipe econômica de Bolsonaro – em congelar aposentadorias e pensões por no mínimo dois anos, ou seja, de desvincular esses benefícios e estes proventos do salário mínimo.

A notícia foi tão forte que logo na manhã do dia 15, Bolsonaro fez um vídeo lendo as manchetes dos jornais e dizendo que aquilo não iria acontecer. Dizendo que não tiraria do pobre para dar para o paupérrimo, que isso jamais passou pela sua cabeça. 

Ora, quem ele pensa que engana? Porque mente deslavadamente. Mente por que não tem feito outra coisa desde o início do seu governo, que não seja retirar direitos dos trabalhadores e, sobretudo dos aposentados e pensionistas. A primeira reforma que Bolsonaro fez foi a reforma previdenciária. 

E na reforma previdenciária o que fez Bolsonaro? Passou para 40 anos o tempo de contribuição para que os trabalhadores tenham direito a se aposentar com salário integral até o teto da previdência social. 

Bolsonaro diminui, concretamente, os valores dos benefícios pagos aos trabalhadores e trabalhadoras. Então, Bolsonaro, não venha com esta história de dizer que não vai rebaixar porque já está rebaixando os salários dos mais pobres, daqueles que mais precisam.

Desde que assumiu a presidência, seu governo não garantiu ganho real no valor do salário mínimo, pelo contrário. Os dados oficiais mostram que nem a totalidade da inflação foi reposta. Houve uma perda salarial, ou seja, deixou de lado a política praticada tando pelo ex-presidente Lula, como a ex-presidenta Dilma, de valorização do valor do salário mínimo, de recomposição da compra do salário mínimo. 

Somente no mandato do presidente Lula foi mais de 70% o ganho real do salário mínimo, que ele está destruindo. 

Pois bem, além da reforma previdenciária que já foi feita e da reforma trabalhista, que já colocaram em prática, agora eles trabalham na reforma administrativa, cujo objetivo central não é atingir os grandes, os que mais ganham. Pelo contrário, visa atingir o serviço público, minando os serviços públicos de educação de saúde. É privatizar o Estado brasileiro. É isso que eles querem fazer.

O Guedes teve a cara de pau de dizer abertamente dia desses que a meritocracia tem que ser premiada no Brasil, que aqueles que ganham o teto de R$ 39 mil ganham pouco, que tem que aumentar. Tem que aumentar a diferença salarial. 

Ora, exatamente o inverso de tudo o que nós defendemos. Enquanto nós trabalhamos para diminuir as desigualdades sociais, o governo Bolsonaro trabalha exatamente para aumentar as desigualdades sociais. 

Não adianta Bolsonaro falar o que vale. Não é a sua fala, é a sua prática. E a sua prática só tem retirado direitos dos trabalhadores, aposentados e pensionistas. 

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *