Gustavo Felicíssimo: Canção da Partida

“Agora essa notícia: Morreu Sérgio Ricardo.
E eu, ao telefone, desconcertado.”

O cantor Sérgio Ricardo, no traço de seu amigo Aroeira

A morte do cantor e compositor Sérgio Ricardo (1932-2020), no último dia 23 de julho, levou o escritor e poeta Gustavo Felicíssimo a escrever o poema Canção da Partida, que o Prosa, Poesia e Arte reproduz abaixo.

CANÇÃO DA PARTIDA

Havia Marília. A urbe.
E havia uma janela de trem
e o destino em direção ao exílio.
E havia uma paixão deixada.
Era qual uma cena de cinema?
O trem partindo e alguém correndo,
correndo, correndo pela gare
em direção ao impossível?
Havia uma sina a ser cumprida.
E havia o Rio de Janeiro,
esse Rio que é o mundo inteiro,
onde foram buscar os mesmos sonhos
todos aqueles que eram Mais.

II

E houve Glauber. E houve Alceu.
Houve muito o que fazer.
E houve também o Vidigal.
Houve aquele Beto, aquele Beto
bom de bola que era eu e éramos nós.
Era o Mané. Era o Garrincha.
E houve aquela noite em 1967.

III

Mas são sabia o menino do seu destino
quando com suas malas naquele trem.
Não, não sabia, eu sei. Sabemos!
Mas sentia ele o borbulhar da fera,
o feixe de luz que emanava do seu âmago?

IV

Agora essa notícia: Morreu Sérgio Ricardo.
E eu, ao telefone, desconcertado.
Mas mesmo convulso pensei:
não morre quem na vida faz da arte
[a sua Vida.
Não morre quem ao lado do seu próximo
faz do próximo o seu Irmão de caminhada.

Autor

2 comentários para "Gustavo Felicíssimo: Canção da Partida"

  1. armando ferreira dos santos disse:

    A arte ate poderia ser considerada uma vida a parte, pois quem faz arte, faz da arte uma outra vida e seja lá quem for que faça arte, seja Sergio o Ricardo o Augusto dos Anjos seja a Cecilia aquela Meireles ou aquele outro Chagas o Walmor todos os fazem arte o fazem com muito prazer e muito amor.

  2. Pois é Armando, O Ferreira Gullar dizia que “a arte existe porque a existência não basta”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *