Há 4 dias com mil mortos por covid-19, Brasil ultrapassa Espanha

Com 1.124 mortes confirmadas entre ontem e hoje, o Brasil atingiu a marca de 27.878 óbitos pelo novo coronavírus e tornou-se o quinto país com mais vítimas pela doença em todo o mundo, ultrapassando a Espanha no total de mortes (27.121 óbitos).

Diante do quadro catastrófico, Manaus comemora cada pequena vitória. foto da Prefeitura de Manaus

O Brasil chegou a este patamar apenas 73 dias depois de ter registrado sua primeira morte, são dez dias antes da Espanha que já completa seus 87 dias desde o mesmo marco inicial. Na segunda-feira (26), o governo espanhol retirou quase 2 mil mortes da sua contagem oficial para correção de mortes duplicadas, após uma revisão dos dados já publicados.

Este foi o 4º dia consecutivo que o Brasil teve mais de 1.000 mortes por coronavírus registradas a cada dia, enquanto a Espanha teve apenas 2.

Os principais dados do Brasil são:

  • 27.878 mortes, eram 26.754 na quinta-feira
  • Foram 1.124 registros de morte incluídos em 24 horas, 331 nos últimos 3 dias
  • 465.166 casos confirmados, eram 438.238 na quinta-feira
  • Foram incluídos 26.928 casos em 24 horas
  • 247.812 pacientes estão em acompanhamento (53,3%)

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, há 4.245 mortes em investigação.

Segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 26.928 novos diagnósticos nas últimas 24 horas e agora soma 465.166 casos confirmados de covid-19 em todo o território. Os novos casos representam a maior diferença entre um dia e outro desde o início da pandemia. Até então, o maior número de confirmações de casos havia sido o de ontem: 26.417.

Os dados da Universidade Johns Hopkins apontam o país atrás de apenas outros quatro no total de mortos pela covid. São eles: França (28.717), Itália (33.229), Reino Unido (38.243) e Estados Unidos (102.516). Ao longo desta semana, o Brasil apresentou, durante três dias consecutivos, a marca diária de mais de mil mortes pela doença. Até então, o único país a manter a confirmação de óbitos acima de mil em 24h foi os EUA.

Ainda segundo a pasta, 247.812 casos seguem em acompanhamento. Cerca de 189.476 pacientes já se recuperaram da doença.

Ranking de casos
Ranking por Mortes

Novo marco mundial

Ontem o mundo bateu o recorde de 117,2 mil novos diagnósticos em um dia, de acordo com a Johns Hopkins. Partiu do Brasil a maior quantidade de novos casos (26.417), seguido pelos EUA (23.051). Ainda segundo a universidade, foi a quinta vez que o índice diário global ultrapassou os 100 mil infectados em 24h.

Comparação por habitantes

A taxa para cada 100 mil habitantes aponta que o Brasil registra 13 mortes por 100 mil. Nesta comparação o país fica atrás da França (42,7), Estados Unidos (31,1), Itália (55), Reino Unido (57,3) e da Espanha (57,7).

Essa taxa mostra o efeito do vírus em países menos populosos, como a França (66,9 milhões), Reino Unido (66,6 milhões), Itália (60,3 milhões de habitantes) e Espanha (47 milhões), em comparação com os EUA (329,5 milhões) e Brasil (209,5 milhões).

Nestes países, o pico diário foi alcançado há mais tempo que no Brasil, e muitos já passam por um processo de desaceleração na contagem de mortos. Os Estados Unidos tiveram o maior registro (2.612) em 29 de abril, a França (1.417), o Reino Unido (1.172) em 29 de abril e a Itália (919) em 27 de março, segundo o levantamento da Universidade Johns Hopkins.

Avanço nos Estados

São Paulo continua sendo o estado que tem mais mortes, com 7.275 das 27.878 ocorrências. A letalidade é de 7,2% no estado. Em segundo lugar vem o Rio de Janeiro, com 5.079 mortes e letalidade de 10,6%.

No quadro de casos confirmados, São Paulo também lidera a lista. O estado tem 101.556 pessoas infectadas pelo coronavírus. Em segundo lugar vem o Rio de Janeiro, com 47.953 vítimas de contaminação, sendo seguido por Amazonas (38.909), Ceará (38.395) e Pará (36.486).

O estado menos afetado é o Mato Grosso do Sul, que tem registro de 18 mortes e soma 1.356 casos confirmados de contaminações pelo novo coronavírus desde o início da pandemia.

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *