Elas são a invisível linha de frente

O covid-19 matou mais homens, mas as mulheres foram mais expostas a problemas crônicos, como violência masculina ou insegurança no emprego. Maya, Leonarda e Wannisa, em três países diferentes, fazem parte da frente de batalha contra o vírus

Maya (Nairobi), Leonarda (La Paz) e Wannisa (Bangcoc)

A pandemia trancou Maya em Nairóbi com seu agressor e colocou sua vida em perigo. Leonarda aceitou o emprego de empregada doméstica em La Paz o que a levou a uma situação extrema. Wannisa ficou presa em um subúrbio de Bangcoc encarregada de seus dois filhos pequenos e outros membros da família, além de continuar trabalhando como faxineira de hospital.

O coronavírus matou mais homens, mas as mulheres foram mais expostas a problemas crônicos, como violência masculina ou insegurança no emprego. Eles também enfrentam um maior risco direto, ocupando 70% dos empregos no setor de saúde em todo o mundo ou sendo muito mais responsáveis pelos doentes e idosos. Em resumo, trabalho invisível e não remunerado.

De acordo com um estudo da ONU Mulheres, a covid-19 está aumentando a desigualdade sofrida pela população feminina na maior parte do mundo, principalmente nos países mais pobres. Elas dedicam uma média de 4,1 horas por dia ao trabalho não remunerado, como tarefas domésticas ou cuidar de dependentes, três vezes mais do que eles.

Na América Latina, essas tarefas representam entre 15,2% (Equador) e 25,3% (Costa Rica) do PIB. Enquanto todo o cuidado não remunerado dos doentes por mulheres é equivalente a 2,35% do PIB mundial, o que equivale a 1,5 bilhão de dólares (1.350 milhões de euros). As mulheres, em geral, ganham em média 16% menos que os homens, percentual que chega a 35% em alguns países, destaca o estudo.

O confinamento pelo coronavírus tem sido uma armadilha para muitos. Os relatos de violência sexista aumentaram durante esse período em países tão diversos quanto a França (30%), Argentina (25%) ou Cingapura (33%). Maya, Leonarda e Wannisa fazem parte de uma linha de frente invisível na batalha contra o vírus.

Uma manhã humilhante (Nairobi)

Uma sobrevivente de violência sexista brinca com um bebê em um abrigo na capital queniana de Nairóbi, ao qual mulheres abusadas podem ir à procura de um teto quando decidem deixar o relacionamento abusivo ao qual estão sujeitas. A violência machista foi exacerbada como uma conseqüência das restrições da covid-19 e das restrições de movimentos impostas em todo o mundo.

Em uma humilhante manhã de abril, a queniana Maya Raziki – um nome fictício porque ainda teme o agressor – escolheu viver, renascer e se afastar de um marido que a anulou com gritos e espancamentos. “A maioria das mulheres (abusadas), especialmente se elas têm uma vida de classe alta como a minha, não vai embora, elas continuam a perdurar. E é por isso que um dia você descobre que uma foi morta, outra esfaqueada até a morte. .. E você sabe por quê? Porque elas temem o mundo lá fora “, explica ela lentamente.

“A paz não é apenas a ausência de guerra. Muitas mulheres confinadas como resultado da covid-19 enfrentam violência onde deveriam ser mais seguras: em suas próprias casas”, recordou o secretário-geral da ONU em 6 de abril, António Guterres.

Quase ao mesmo tempo que esta mensagem – e horas depois que o marido a ameaçou com uma faca e a arrastou escada abaixo – Raziki disse basta, juntou seus pertences e saiu com os dois filhos de uma casa onde ela gostava, com todos os confortos, mas onde ela não podia ser ela mesma.

“Foi minha própria filha quem me disse: basta, temos que ir”, lembra essa queniana de 31 anos como se estivesse falando de uma vida que nunca foi inteiramente dela. “E para uma criança se levantar e dizer à própria mãe que é hora de ir embora ou que nunca vai se casar, significa que as coisas que viu não lhe fizeram bem”.

Segundo o governo, 45% das quenianas entre 15 e 49 anos sofreram violência masculina em algum momento de suas vidas. Um flagelo silencioso que, segundo a ONU Mulheres, afeta uma em cada três mulheres do mundo, agora presa em um contexto sem precedentes de crise econômica e restrições de movimento.

“Sem dúvida, a avidez exacerbou essa situação”, explica Njeri Wa Migwi, co-fundador de um pequeno abrigo para agredidas nos arredores de Nairóbi. “Se costumávamos receber uma ou duas ligações na semana anterior, agora servimos até cinco por noite”. Muitas mulheres estão sendo expulsas de suas casas por seus parceiros durante a noite, correndo o risco de serem presas ou de violência policial devido ao toque de recolher noturno imposto para conter a propagação do coronavírus.

Foi Wa Migwi, uma sobrevivente da violência masculina, quem veio buscar Riziki – com medo e acompanhada por um policial – no início da manhã de abril, quando decidiu permanecer viva. “Quando ele me ligou, ele disse: ‘Se você não me tirar daqui hoje à noite, ele vai me matar. Vendo suas feridas, verifiquei que era verdade, ele poderia tê-la matado.”

“Eu tinha medo de ir para a cama um dia e acordar morta. Ou melhor, não acordando, porque foram as pessoas que encontraram meu corpo sem vida “, diz Riziki. Agora ela enfrenta um mundo desconhecido no qual, por um lado, ela deve recuperar sua auto-estima e, por outro lado, encontrar abrigo e comida para si e os filhos.

Um quarto distante (La Paz)

A pandemia deixou Leonarda sem seu emprego como empregada doméstica em La Paz (Bolívia) e a levou a uma situação de extrema precariedade. 

Leonarda tinha 14 anos quando chegou a La Paz de San Andrés de Machaca, uma cidade rural no altiplano boliviano, depois de ficar órfã pelos dois pais. Como muitas outras meninas camponesas que migram para as cidades, ela se dedicou às tarefas domésticas, uma profissão em que trabalha há quase três décadas. Os últimos meses foram particularmente difíceis para Leonarda, porque algumas semanas antes da ordenação da quarentena de coronavírus na Bolívia, seu empregador a expulsou sem pagar um centavo e a processou.

Ela é um dos mais de 117.000 empregados domésticos bolivianos que a pandemia levou à beira do abismo: demissões injustificadas, sobrecarga de trabalho ou exposição a contágio em quarentena para trabalhar a qualquer custo, independentemente de outros males, como discriminação e tratamento injusto.

“Nosso setor está sendo muito afetado pela pandemia, já que alguns colegas estão fora do trabalho e estão sendo demitidos por não comparecerem”, denuncia Leída Alonzo, chefe da Federação Nacional de Trabalhadores Domésticos da Bolívia (Fenatrahob).

Leonarda mora sozinha em um quarto em El Alto, uma cidade de um milhão de habitantes, localizada a cerca de 20 quilômetros de La Paz. Muitos faxineiros residem lá e, como ela, precisam viajar diariamente para a capital. Alguns têm sorte que seus empregadores cuidem de transportá-los, mas são minoria, explica Alonzo, que lembra que muitos não vão para o trabalho “não porque não querem”, mas por causa das restrições ao trânsito de veículos e pessoas em vigor desde março.

Essas restrições complicaram ainda mais a situação de Leonarda, impedindo-a de procurar um novo emprego, com uma confusão no meio, sobrecarregada por uma dívida bancária e sem ninguém para ajudá-la. “Não estou trabalhando, tricoto cobertores (para vender nos mercados) e não é mais suficiente para meus remédios”, lamenta a mulher que sofre de reumatismo.

As empregadas-da-casa que “dormem no trabalho”, também estão sendo “exploradas”, porque, como todos ficam em casa, têm mais pessoas para atender ou não têm dias de folga , explica Alonzo. Outros foram reduzidos em salário ou forçados a tirar férias, sem saber se serão capazes de retornar aos seus empregos quando a quarentena for levantada, apesar do decreto presidencial que proíbe as demissões durante este momento.

A Defensora Interna do Povo, Nadia Cruz, espera que agora o trabalho dessas mulheres, que carregam “um fardo muito pesado” e “desempenhem papel fundamental” nos lares, possa ser “valorizado”. Enquanto isso, Leonarda está determinada a retomar seu ofício quando estiver em quarentena, com “fé em Deus” de que ela não adoecerá da covid-19.

O anjo dos subúrbios (Bangkok)

A tailandesa Wannisa Manatham não acredita que tenha tido uma vida mais difícil por ser mulher. Aos 23 anos, vivendo em uma favela de Bangcoc, ela supõe que é normal que o marido de seu segundo filho a abandone e nunca mais tenha notícias dele. Seus filhos se amontoam em uma casa com teto de uralita e quatro quartos que compartilham com outros oito parentes, onde é impossível ter ordem ou privacidade.

Em um bairro afetado por problemas de crime e dependência de drogas, Wannisa lida com o sufocamento econômico causado pela covid-19. Dos quatro adultos de sua família que trabalhavam anteriormente, todos perderam o emprego devido à pandemia, exceto seu tio, que é um guarda de segurança, e ela, que trabalha como faxineira em um hospital e ganha cerca de 12.000 bat por mês (cerca de 244 euros).

Agora ela e sua família recebem parte da comida da fundação local Duang Prateep, criada por uma menina do bairro. “Muitos homens abandonam mulheres e negligenciam seus filhos. As mães não se preocupam em ir a tribunal porque é inútil”, diz Prateep Ungsongtham Hata, fundadora desta organização, que eles chamam de “o anjo dos subúrbios”.

Na escola de sua fundação, 30% das crianças do jardim de infância vivem em lares abandonados pelos pais e nos quais eles têm que assumir todas as responsabilidades em muitos casos. Esse número aumenta para 60% quando eles atingem o Primário.

A capital tailandesa está lentamente se recuperando da normalidade após as restrições da covid-19, mas nos becos do bairro marginal de Klong Toei, localizado próximo aos arranha-céus de escritórios, o distanciamento físico sempre foi um luxo para seus 60.000 habitantes. Agora, os moradores dessa área sofrem com a falta de emprego causada pelo novo coronavírus em lares que geralmente têm mulheres encarregadas de famílias de três, cinco ou mais membros.

Manatham foi criada por sua avó após o divórcio de seus pais. Seu primeiro marido, pai de seu filho mais velho, faleceu. O pai do seu segundo filho não é visto desde que ela engravidou. “Tenho alguns problemas na vida, mas não sou má. Sou mãe solteira, tenho que cuidar da minha família e apoiá-los financeiramente”, diz ela sentada na varanda da casa. Ela trabalha seis dias por semana, durante 12 horas, muitas vezes no turno da noite. Nas horas vagas, ela brinca com os filhos em uma cabana, onde ela e seus filhos ocupam uma cama embutida nos armários.

Antes de ir trabalhar, Manatham deixa seu filho mais novo com um vizinho e a avó se importa com o mais velho. Ela então veste seu uniforme azul, avental e máscara e vai para o hospital Chulalongkorn em uma motocicleta, onde dezenas de pacientes foram tratados pelo coronavírus.

Apesar dos riscos, Manatham se sente segura e diz que a situação está sob controle na Tailândia, onde até agora apenas 3.141 infecções e 58 mortes por coronavírus foram contadas. Sua maior preocupação é que seus filhos cresçam bem e não caiam no vício em drogas, um dos maiores problemas no subúrbio de Klong Toei, principalmente da metanfetamina. Apesar de sua má reputação, é um bairro dinâmico, onde as crianças saem para brincar de bicicleta à tarde e seus gritos se misturam com os vizinhos conversando em frente às barracas de comida e frutas. Se não se olha para o canal sujo ou os barracos claustrofóbicos com ar condicionado, percebe-se uma atmosfera de cidade quase pequena, onde as mulheres cuidam de suas casas, filhos, idosos e doentes.

Reportagem de G. RUIZ-CANELA | H. TUNGKANANUKULCHAI | P. MARTÍNEZ | G. BALDIVIESO, traduzida do El País por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *