A pandemia e o pandemônio

Diante desse quadro crítico, em que mais de 80 mil vidas já foram perdidas, o Brasil caminha para uma eleição municipal atípica.

O mundo vive um momento de grandes preocupações em razão da pandemia do novo coronavírus e dos conflitos decorrentes das diferentes visões acerca das ações a serem adotadas para combater o vírus e minimizar suas consequências sociais.

No Brasil, essa crise sanitária, sem precedentes na história da humanidade, também é uma realidade, que ganha a cada dia contornos mais dramáticos. À crise sanitária, aqui soma-se a crise econômica e política.

Diante desse quadro crítico, em que mais de 80 mil vidas já foram perdidas, o Brasil caminha para uma eleição municipal atípica, em muito diferente de todas as que ocorreram depois da Constituição cidadã de 1988.

As mais de 5 mil cidades brasileiras, em sua maioria carentes de emprego, educação, saúde, segurança e infraestrutura dignas, enfrentam um desafio em comum: escolher, pela soberania do voto, seus prefeitos e vice-prefeitos e vereadores para, respectivamente, administrar e legislar.

Nesse contexto, a experiência administrativa, a competência e a disposição para planejar e executar ações em prol da população, com a participação efetiva desta, significam a perspectiva de dias menos difíceis diante da pandemia e do pandemônio que enfrentamos.

O estado do Rio Grande do Norte, destacadamente nossa região Seridó, tem enfrentado com determinação esse inimigo invisível chamado coronavírus. Em Caicó, cidade polo do Seridó, destaca-se o atendimento à saúde, por meio de ações integradas do governo do estado e municípios, tendo o Hospital Regional, com competente administração e equipe médica, apresentado resultados positivos no enfrentamento da Covid-19.

O cenário atual é de verdadeiro pacto pela vida, bandeira capaz de reunir todas as cores partidárias, independentemente das disputas político-eleitorais que se avizinham. Em novembro de 2020, o povo de Caicó certamente saberá escolher com sabedoria seus representantes para o Executivo e o Legislativo.

Assim, diante da pandemia e do pandemônio que vivemos, a capacidade, a habilidade, a criatividade e a determinação para administrar e fiscalizar Caicó em sintonia com os seus diversos segmentos socioeconômicos serão um diferencial à disposição do eleitor, responsável pela escolha dos gestores da cidade.

Portanto, o combate ao pandemônio ocasionado pela pandemia passa pelo fortalecimento da democracia e direitos da população, cujo exercício pleno dar-se pela soberania popular do voto.

Publicado originalmente no Blog do Roberto Flávio, dia 22 de julho de 2020

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *