O que você – e os médicos – devem observar se você tem Covid-19

O especialista em doenças infecciosas e médico Kartikeya Cherabuddi, que tratou pacientes com Covid-19, explica o que os médicos monitoram e como tratam os pacientes, desde os primeiros dias após uma infecção e os dias críticos que se seguem.

Testagem gratuita da Covid-19 realizada pelo Instituto Butantan no estacionamento superior do shopping SP Market. Foto: Rovena Rosa/ABr

Sintomas iniciais e quando procurar ajuda médica

Os primeiros sintomas comuns incluem os do trato respiratório superior – dor de garganta, coriza, tosse – bem como sintomas músculo-esqueléticos, como dores musculares, dores nas articulações e fadiga, bem como vômitos e, adicionalmente, perda de olfato ou paladar. A febre está presente em apenas alguns pacientes. Muitos pacientes podem ter sintomas leves ou nenhum sintoma.

À medida que a doença progride, os médicos monitoram os pulmões em busca de sintomas, como falta de ar ou outros problemas relacionados a órgãos, como dor no peito de origem cardíaca. Eles às vezes observam confusão, fadiga extrema e fraqueza nos idosos.

Dificuldade respiratória ou sensação de falta de ar, nova confusão ou incapacidade de permanecer acordado, pressão no peito ou dor são motivos para ser avaliado e para possível internação. Monitorar a temperatura corporal não é tão útil para avaliar se alguém precisa ser hospitalizado, mas um oxímetro de pulso, que mede o nível de oxigênio no sangue, pode ser bastante útil. Quanto maior o risco de doença grave, mais baixo o limite avaliado.

Além de conhecer os sintomas, é uma boa ideia ter um plano Covid-19 para todos os membros da sua família. Veja como começar:

Onde e como você buscará atendimento?

Quem vai cuidar de seus dependentes, incluindo animais de estimação?

Se mora sozinho, quem pode te verificar pelo telefone?

Esperando por uma segunda onda após a primeira semana

Os sintomas podem piorar inicialmente à medida que progridem do trato respiratório superior para os pulmões. Uma segunda onda de agravamento dos sintomas pode então ocorrer após a primeira semana (geralmente do 8º ao 10º dia) da doença, quando a resposta imune se intensifica.

Em indivíduos de alto risco, é importante monitorar o paciente durante este período após a primeira semana e evitar uma falsa sensação de segurança.

O agravamento da falta de ar, respiração rápida, o uso de músculos adicionais para respirar, dificuldade em obter oxigênio suficiente e a aparência de mal-estar são alguns dos sinais que os médicos observam. Uma frequência respiratória acima de 30 por minuto ou um baixo nível de oxigênio com uma nova necessidade de oxigênio suplementar é classificada como Covid-19 grave.

Estado da Bahia realiza segundo dia de testagem para o novo coronavírus da comunidade escolar no Subúrbio Ferroviário de Salvador.

Por que a resposta do sistema imunológico é crítica

Durante o início precoce da infecção, o sistema imunológico de uma pessoa entra em ação com uma resposta ampla e não específica ao vírus, que é especialmente eficaz em crianças. Proteínas do sistema imunológico chamadas interferons parecem controlar a infecção. As células imunológicas que atacam os coronavírus sazonais que causam resfriados comuns não parecem controlar a infecção, mas podem limitar a gravidade da doença, sua duração ou ambos.

Dos dias 5 a 14 após a infecção, a imunidade adaptativa de uma pessoa, que é específica e direcionada ao SARS-COV-2, assume o controle. Envolve três componentes – anticorpos, células T assassinas e auxiliares. Essa resposta precisa ser coordenada e controlada. Frequentemente, esse não é o caso em idosos e pode explicar a doença mais grave observada em pessoas mais velhas. Os anticorpos podem eliminar ou neutralizar o vírus.

Essas células imunológicas e seus produtos – citocinas, interleucinas e interferons – podem controlar a infecção, mas em casos graves ficam fora de controle. Isso produz um desequilíbrio grave e causa a “tempestade” de citocinas em adultos ou a síndrome inflamatória multissistêmica em crianças.

Os médicos seguem cuidadosamente os sintomas do paciente, os resultados dos exames e parâmetros clínicos e laboratoriais, como exames de sangue que medem os níveis de proteínas específicas para determinar se o sistema imunológico do paciente está reagindo exageradamente. A doença crítica devido ao Covid-19 se desenvolve em 5% de todos os pacientes, mas ocorre em 1 em cada 5 indivíduos que requerem hospitalização.

Níveis de tratamento – leve a grave

Para pessoas com teste positivo para Covid-19, mas assintomáticas ou com sintomas leves, não há terapia comprovada e eficaz. Ter uma boa noite de sono e exercícios e limitar a ansiedade são úteis. É recomendável que você mantenha a separação física, mas mantenha contato com a família ou amigos. Tomar vitamina D pode fornecer algum benefício, e foi demonstrado em uma metanálise de estudos que protege contra infecções respiratórias agudas. Aqueles com níveis muito baixos de vitamina D se beneficiaram mais.

Para pessoas com sintomas leves a moderados, é recomendado o monitoramento de quaisquer sintomas ou sinais de piora, além das leituras do oxímetro de pulso. Os níveis de oxigênio no sangue devem ser 94% ou mais naqueles sem doença pulmonar subjacente. Se possível, você pode caminhar um pouco e repetir a oximetria de pulso, aumentando gradualmente para 6 minutos de caminhada.

Para pessoas com doenças graves que estão hospitalizadas, há uma série de terapias disponíveis:

Agentes antivirais. Remdesivir demonstrou diminuir a duração da hospitalização.

Agentes imunossupressores. Os corticosteróides, como a dexametasona, têm um amplo efeito no amortecimento do sistema imunológico e mostraram reduzir o número de mortes por Covid-19 se o oxigênio for necessário.

Oxigênio. É administrado para manter a saturação de oxigênio acima de 94%.

Medicamentos para prevenir coágulos sanguíneos. Esses medicamentos são administrados para prevenir a formação de coágulos sanguíneos durante a hospitalização. O risco individual e a mobilidade são considerados pelos médicos quando utilizados após a alta.

Plasma convalescente. O plasma – a porção líquida do sangue – de pessoas que receberam Covid-19 contém anticorpos que podem diminuir a gravidade de uma infecção ou evitar que um paciente atual adoeça. Ele está disponível principalmente por meio de ensaios clínicos, que são necessários para compreendê-lo melhor.

Anticorpos monoclonais. Esses anticorpos fabricados em laboratório, que agora estão passando por testes clínicos, poderiam igualmente diminuir a gravidade da doença ou encurtar o curso da doença.

Efeitos prolongados e ‘long haulers’

Os médicos sabem que infecções virais, incluindo sarampo, podem causar sintomas de longo prazo. Quarenta por cento dos sobreviventes da síndrome respiratória aguda grave, ou SARS, que também foi causada por um coronavírus, relataram ter efeitos residuais mesmo 3,5 anos depois.

Sintomas persistentes para quem sofre de Covid-19, denominados “long haulers”, às vezes ocorrem até mesmo em jovens adultos e crianças sem condições médicas subjacentes. Em uma pesquisa por telefone com adultos sintomáticos que nunca foram hospitalizados, 1 em cada 3 pessoas no geral e 1 em 5 entre aqueles com idade entre 18 e 34 anos não haviam retornado à sua saúde normal 14 a 21 dias após o teste. Os sintomas que persistem incluem fadiga, tosse, falta de ar, perda do paladar ou do cheiro, dor de cabeça e dores no corpo. Indivíduos com doenças graves que requerem hospitalização podem levar até seis semanas para se recuperar.

Coágulos sanguíneos no pulmão, cérebro e outras áreas foram relatados, mas com uma grande variedade de estimativas. Pacientes mais doentes e aqueles com mais fatores de risco subjacentes têm uma incidência maior. Esses coágulos sanguíneos – além de danos virais e imunológicos aos pulmões, coração e cérebro – podem causar problemas de saúde prolongados, diminuição da mobilidade e problemas mentais. Um guia prático e útil para o autogerenciamento da reabilitação após doenças relacionadas à Covid-19 está disponível na Organização Mundial da Saúde.

Os efeitos mentais de longo prazo são uma área de grande preocupação. Os consultórios médicos devem realizar chamadas telefônicas de acompanhamento, estabelecer clínicas pós-Covid-19 e disponibilizar recursos de saúde mental. Os pacientes e familiares podem monitorar a respiração, a tolerância aos exercícios, o inchaço dos membros, o peso corporal e a atividade mental, e ficar atentos a sinais de depressão.

Para um paciente individual, o curso da doença e as complicações imediatas e de longo prazo são imprevisíveis. Eles precisam ser monitorados de perto por duas semanas após o diagnóstico para a segunda onda de agravamento e por até seis semanas para recuperação se hospitalizados com doença grave.

Kartikeya Cherabuddi é professor associado de Medicina da Universidade da Flórida

Traduzido por Cezar Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *