O que está por trás do boicote do Oriente Médio a produtos franceses?

Os líderes muçulmanos acusam Macron de usar uma retórica divisionista para ganhos políticos e alienar os seis milhões de muçulmanos da França. O francês disputa com Marine Le Pen quem é mais reacionário com os residentes árabes.

Um trabalhador de varejo cobre produtos franceses em 25 de outubro de 2020 em protesto contra os desenhos animados franceses do Profeta Muhammad em Amã, Jordânia. A capa diz em árabe: 'Em solidariedade ao Profeta Muhammad, que a paz esteja com ele, todos os produtos franceses foram boicotados.'

A França chamou o boicote de seus produtos por vários países do Oriente Médio de “sem fundamento”, dizendo que o movimento está sendo perpetuado por “uma minoria radical”.

Apoiada nas redes sociais, a campanha pede aos árabes e muçulmanos que não comprem produtos franceses em resposta às declarações do presidente Emmanuel Macron neste mês, descrevendo o Islã como uma religião em crise.

O profeta é profundamente reverenciado pelos muçulmanos e qualquer tipo de representação visual é proibida no Islã. As caricaturas em questão são vistas por eles como ofensivas e islamofóbicas, porque são entendidas como uma ligação do Islã com o terrorismo.

À medida que a disputa do boicote aumentava, Macron no domingo dobrou sua posição e prometeu que seu país não “cederá, nunca”.

“Não aceitamos discurso de ódio e defendemos um debate razoável”, disse ele no Twitter. “Estaremos sempre do lado da dignidade humana e dos valores universais.”

Líderes políticos como o paquistanês Imran Khan, o ministro das Relações Exteriores da Turquia e o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) disseram que a retórica de Macron afasta os seis milhões de muçulmanos de seu país – a maior minoria muçulmana na Europa – e espalha uma cultura de ódio.

Então, o que está por trás do boicote aos produtos franceses e a reação contra os comentários de Macron sobre o Islã?

Marginalização dos muçulmanos da França
Desde 1905, a França adotou o valor laicita ou secularismo, que obriga o Estado a se manter neutro – ou seja, a não apoiar nem estigmatizar nenhuma religião.

Com o colapso do império francês após a Segunda Guerra Mundial, a sociedade amplamente homogênea da França nas áreas metropolitanas mudou da noite para o dia e tornou-se o lar de muitos ex-súditos coloniais e seus descendentes, principalmente do norte e oeste da África.

Ainda assim, a reação do país ao Islã em seu próprio território, estimulada em parte por sua traumática derrota na Argélia, levou a regulamentações que visam a visibilidade do Islã. De acordo com o estado, os muçulmanos franceses vivem em uma contra-sociedade.

Em 2004, a França se tornou o primeiro e único país europeu a proibir o hijab, um véu usado por algumas mulheres muçulmanas, nas escolas públicas. Alguns anos depois, também foi aprovada uma lei que proibia o uso do niqab, ou cobertura facial.

E embora uma lei de 1978 proíba o estado francês de coletar estatísticas sobre raça, religião ou etnia, o aumento da islamofobia nos últimos anos foi documentado por grupos de direitos humanos e da sociedade civil, como o Coletivo contra a islamofobia na França, também conhecido como CCIF.

Os comentários de Macron de buscar reformar o Islã – uma religião que tem mais de 1.400 anos e é seguida por dois bilhões de pessoas em todo o mundo – é um movimento ambicioso e provocador; vários ativistas disseram que o governo deveria investir mais esforços para lidar com a marginalização dos muçulmanos franceses nos banlieues, ou guetos suburbanos do país.

Os residentes dessas áreas, muitas vezes com ancestrais na África e no Oriente Médio, são alienados; eles sofrem com altos níveis de desemprego e habitação social precária. Eles são marginalizados em todos os sentidos da palavra – o transporte público das banlieues para o centro de Paris, por exemplo, é extremamente escasso.

Desde 2012, houve 36 ataques perpetrados por uma minoria marginal de muçulmanos em solo francês.

No entanto, em vez de atacar as causas desse fenômeno – que alguns, incluindo o próprio Macron, argumentaram incluir a alienação social, o estado voltou sua atenção para se concentrar na totalidade de seus cidadãos muçulmanos, como se fossem um monólito, embora não direcionando a mesma energia para os supremacistas brancos e nazistas no país.

Eleição presidencial de 2022

Macron prometeu apresentar um projeto de lei em 9 de dezembro para combater o que ele chama de “separatismo islâmico” ao proibir a “importação” de imãs treinados e financiados por estrangeiros. Ele também está propondo incentivos fiscais e financiamento estatal para mesquitas que assinam uma carta que aceita os princípios franceses de secularismo, democracia e Estado de Direito.

Essas medidas em um ambiente político cada vez mais populista contra a combalida comunidade muçulmana da França podem ser vistas no contexto do reforço da base de Macron antes das eleições presidenciais de 2022.

Imediatamente após seu discurso sobre o “Islã em crise”, vários analistas disseram que Macron estava se inclinando para a extrema direita.

Atualmente, Macron está “pescoço a pescoço” nas pesquisas com a líder de extrema direita da Frente Nacional, Marine Le Pen, que externamente defende pontos de vista islamofóbicos. Em 2017, Macron e Le Pen chegaram ao segundo e último turno da eleição; ele está tentando desesperadamente evitar que o mesmo cenário surja dentro de dois anos.

Mas, às vezes, pouco diferencia os comentários de seu governo sobre os muçulmanos dos populistas.

O ministro do Interior, Gerald Darmanin, disse que a França está travando uma “guerra civil”: o secularismo contra o “separatismo islâmico”. Ele também pediu o fechamento de corredores de comida étnica em supermercados – uma declaração que foi imediatamente ridicularizada nas redes sociais.

No mês passado, um parlamentar e membro do partido En Marche, de Macron disse que um cidadão que usa o hijab é de alguma forma incompatível com a participação na esfera pública e cívica.

“Não posso aceitar que alguém venha participar de nosso trabalho na Assembleia Nacional usando um hijab”, disse Anne-Christine Lang, antes de sair em protesto contra a presença de uma mulher muçulmana com o lenço na cabeça na instituição.

Dois anos antes, o próprio Macron disse que o hijab “não estava de acordo com a civilidade do nosso país”.

Reação mundial

É nesse cenário que Macron irritou os muçulmanos em todo o mundo.

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, acusou Macron de ser divisionista e encorajar a islamofobia.

“Este é um momento em que o Presidente Macron poderia ter dado um toque de cura e negado espaço aos extremistas, em vez de criar mais polarização e marginalização que inevitavelmente levam à radicalização”, disse Khan em uma série de tweets.

Na sexta-feira, a Organização para a Cooperação Islâmica (OIC) condenou o que disse ser o ataque contínuo da França contra os muçulmanos.

A OIC disse estar surpresa com o uso de retórica ofensiva por altos funcionários e alertou que este momento, em prol dos ganhos dos partidos políticos, pode alimentar o ódio.

O Ministério das Relações Exteriores do Kuwait também pesou e criticou a política discriminatória que liga o Islã ao terrorismo, dizendo que “representa uma falsificação da realidade, insulta os ensinamentos do Islã e ofende os sentimentos dos muçulmanos em todo o mundo”.

O Ministério das Relações Exteriores da Jordânia não criticou Macron diretamente, mas condenou a “publicação contínua de caricaturas do Profeta Muhammad sob o pretexto da liberdade de expressão”. Também denunciou quaisquer “tentativas discriminatórias e enganosas que buscam vincular o Islã ao terrorismo”.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia disse que os políticos “mimados” da Europa devem parar com sua “mentalidade fascista”.

“Quando a verdade é dita na cara deles, os racistas perdedores da Europa aparecem e tentam explorar a islamofobia e a xenofobia. Chegou a hora de impedir os políticos mimados da Europa com mentalidade fascista ”, disse Mevlut Cavusoglu.

Por Linah Alsaafin na Aljazira

Traduzido por Cezar Xavier

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *