A herança política de Trump, por Atilio Boron

O principal saldo, por ora, desta eleição é a consolidação de uma direita populista radical.

Foto: Reprodução

Seja qual for o resultado final desta eleição, o das urnas e o do contencioso que certamente ocorrerá, há uma conclusão inevitável e preocupante: o desempenho eleitoral de Donald Trump foi excepcional para um presidente responsável por uma tragédia sanitária como o da Covid-19, que no momento em que este artigo foi escrito causou 239.012 mortes, quatro vezes o número de soldados mortos na Guerra do Vietnã. Indicadores macroeconômicos ruins ou medíocres de emprego, salários, quedas na indústria, mineração e construção que se comparam desfavoravelmente com a presidência de Barack Obama e contrastam com a estridência anterior a expansão de negócios especulativos em Wall Street e os cortes obscenos nos impostos dos mais ricos. 

A beligerância de Trump: guerra comercial com a China, deterioração da Aliança Atlântica e bloqueios econômicos e sanções contra vários países criaram um clima de ansiedade, ao qual se juntou a eclosão dos protestos sociais mais massivos e violentos desde 1968 e o vigoroso ressurgimento da “questão racial” catapultada por piscadelas repetidas da Casa Branca para a polícia local para reprimir com todo o rigor possível os descontentamentos, e se fossem afro-americanos ainda melhor. No entanto, nem a vitalidade de “Black Lives Matter” e tudo o que foi mencionado acima foram suficientes para precipitar uma derrota esmagadora para Trump, como previsto pela grande maioria das pesquisas.

O segredo dessa atuação é a mutação do partido republicano “reformatado” por Trump ao ampliar sua base social e solidificar um apoio “comum” de que antes desfrutava apenas marginalmente. Na década de oitenta do século passado, Ronald Reagan conquistou apoio significativo em alguns setores das classes populares, mas nada comparável em tamanho e intensidade com o do magnata de Nova York. Em extensão, porque penetrou em grandes segmentos dos trabalhadores manuais antes dos “campos de caça dos democratas”; a eles juntou os agricultores mais pobres, as pessoas esquecidas do interior profundo do país e as classes médias empobrecidas . 

Em intensidade, aliás, porque Trump provou ser um comunicador excepcional: em comícios públicos nos Estados Unidos não há maiores recordes de multidões de 30 ou 45 mil pessoas gritando, como em uma assembleia de cultos milenares, ‘nós te amamos, nós te amamos’, como um atônito David Sherfinski escreve em uma nota do Washington Times na quarta – feira (4). Um demagogo solto, possuído por uma vontade de poder nietzschiana que exalta como patriotas os motoristas que assediaram e bloquearam o ônibus em que Joe Biden estava viajando pelo Texas; que desafie a legislação eleitoral e qualquer outra, incluindo a legislação tributária; que zomba do “politicamente correto” tão cultivado por seus rivais; que lida com redes sociais com maestria perversa; que enfrenta e insulta a mídia concentrada (CNN, New York TimesWashington Post e toda a imprensa culta), que se constrói como o grande defensor do “carinha”, do povo, esquecido pelo elitismo gerencial dos tradicionais republicanos e do globalismo neoliberal dos democratas e que cristaliza a sustentação de um imponente bloco social pressionando as poderosas cordas de ressentimento, ódio e medo que abrem a Caixa de Pandora do racismo e da xenofobia; que exalta a grandeza perdida do seu país ameaçado pelos pérfidos chineses que “inventaram o coronavírus para pôr os Estados Unidos de joelhos”, grandeza que pretende recuperar a qualquer custo. 

O principal saldo, por ora, desta eleição – que será lembrada como um divisor de águas na história política dos Estados Unidos e sobre a qual haverá muito que se analisar – é a consolidação de uma direita populista radical mas que agora, graças a Trump, assume uma ressonância de massa que o Tea Party ou qualquer outra expressão republicana nunca teve desde a época de Theodore Roosevelt no início do século XX e, em parte, Ronald Reagan. Esta é uma má notícia. A boa notícia é que essa construção gira exclusivamente em torno dele e não há sucessor à vista. De qualquer forma, teremos que ser cuidadosos porque se Trump perdesse a presidência aquela massa plebeia e furiosa ficaria órfã, mas, cuidado com isso! Disponível para novas interpelações populistas e de direita de outro líder carismático.   

Fonte: Pagina12

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *