A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: desindustrialização

Centrais e movimentos sociais abrem jornada de luta contra Bolsonaro

Avenida Paulista, em São Paulo, recebeu protesto liderado pelas dez centrais, com o reforço dos movimentos popular e estudantil

Indústria em crise: em 4 anos, Brasil perdeu 17 fábricas por dia

Recessão e golpe empurram a indústria nacional para a pior crise de sua história. Em meio a dificuldades de manter o ritmo de recuperação da produção, 25.376 unidades industriais encerraram suas atividades de 2015 a 2018, conforme a CNC.

Burguesia e projeto nacional no Brasil atual

Ainda que haja setores da burguesia possíveis de se ser atraídos para um projeto de desenvolvimento nacional, tal atração somente poderia ser exercida por uma ação estatal de relevo.

Marcio Pochmann: A terceira fase do sindicalismo brasileiro

Nova classe trabalhadora vive hoje uma circunstância pré-insurrecional, com enormes insatisfações frente ao neoliberalismo governamental e patronal

Com recessão, golpe e Bolsonaro, indústria despenca 15% em 5 anos 

Enquanto a produção industrial no resto do mundo cresceu 10% desde 2014, a atividade nas fábricas brasileiras despencou 15% nesse período. O País está longe de recuperar o patamar industrial em que estava antes da recessão de 2015/2016. Com o golpe de 2016 contra a presidenta Dilma Rousseff (PT) e os governos entreguistas de Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL), a situação se agravou: o Brasil corre o sério risco de deixar de estar entre os dez maiores países industriais do mundo.

Miguel Torres: Indústrias fechadas 

Temos questionado há bastante tempo a desindustrialização, a estagnação econômica, o desemprego e a redução dos direitos sociais, trabalhistas e previdenciários da classe trabalhadora. É, portanto, muito oportuna a reportagem “Número de indústrias fechadas em São Paulo é o maior em uma década”, publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, em 21 de julho de 2019.

Por Miguel Torres*

A lenta morte da indústria brasileira

O mais recente levantamento do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) relacionando dados de 30 países ao longo de 50 anos identificou no Brasil a terceira maior retração industrial, atrás apenas de Austrália e Reino Unido que se afastaram da indústria como consequência da elevação de renda per capita, diferente do Brasil que passa a liderar o ranking de industrialização precoce.

Por Ergon Cugler*

O governo Bolsonaro e a despedida da economia nacional 

O quadro atual de desindustrialização faz país regredir ao passado dos ciclos produtivos de antes de 1930. locais e desintegrados do conjunto da nação.

Por Marcio Pochmann*

Bresser-Pereira: 40 anos de desindustrialização

Nas últimas décadas, a industrialização deixou de ser prioridade tanto para liberais e para economistas de esquerda. Os primeiros apostaram as fichas nas reformas neoliberais e no tripé macroeconômico. A esquerda aceitou o novo regime, supondo que isso levaria ao desenvolvimento econômico desde que fosse complementado por política industrial. Concentrou-se em promover o aumento do salário mínimo e das transferências de renda para os mais pobres.

Por Luiz Carlos Bresser-Pereira*

Jandira Feghali debate com intelectuais rumos da democracia brasileira

Participaram do debate, organizado pela seção estadual da Fundação Maurício Grabois, nomes como Jandira Feghali, líder da minoria no Congresso; o grande antropólogo Luis Eduardo Soares; Elias Jabbour, Presidente da Fundação Maurício Grabois; e Jefferson Moura, sociólogo que mediou a discussão.

Com desindustrialização, economia do País fica refém de 7 commodities

Se as exportações representam um dos principais indicadores da vitalidade econômica de um país, o Brasil tem razões para se preocupar. Graças ao prolongado cenário de desindustrialização da economia – ou seja, a participação cada vez menor da indústria no PIB do País –, sete commodities respondem hoje metade do valor das exportações brasileiras.

Luiz G. Belluzzo: Peripécias do globalismo

O jogo estratégico dá-se entre o polo dominante e a capacidade de resposta dos países em desenvolvimento.

1 2 3 5