Às vésperas das aulas, 97 mil crianças testam positivo nos EUA

Só nas últimas duas semanas de julho, quase cem mil crianças foram contaminadas nos EUA. Durante a pandemia, há registro de 338 mil crianças contaminadas e 25 mortas por Covid-19.

Em Gaza (Palestina), crianças já voltaram às aulas.

Quase 100.000 crianças americanas testaram positivo para o coronavírus nas últimas duas semanas de julho, conforme alerta um novo relatório da Academia Americana de Pediatria. Pouco mais de 97.000 crianças testaram positivo para o coronavírus de 16 a 30 de julho, de acordo com a associação.

Enquanto o país chega aos cinco milhões de casos de Covid-19 notificados, a organização médica revelou que mais de 338.000 eram crianças. Inicialmente, acreditava-se que as crianças eram menos suscetíveis ao vírus – no entanto, pelo menos 25 crianças morreram da doença nos Estados Unidos, em julho.

A Dra. Tina Hartert, da Universidade de Vanderbilt, espera que o aumento dos testes em crianças ajude a determinar o papel que desempenham na transmissão, conforme os distritos escolares em todo o país voltam a alguma forma de aula. Ela está liderando um estudo financiado pelo governo que envia kits de teste DIY para cerca de 2.000 famílias.

Na cidade de Nova York, maior distrito escolar do país, o prefeito Bill de Blasio anunciou um retorno à escola presencial no outono. De Blasio deu aos pais até sexta-feira à noite para matricular os alunos para aulas presenciais, ensino remoto ou híbrido (remoto e presencial).

Mais de 25 crianças morreram de coronavírus somente em julho. A pressão para trazer as crianças de volta à sala de aula fez com que superintendentes em mais de 13 mil distritos escolares diferentes em todo o país se preocupassem em como manter as crianças seguras.

Há ainda a preocupação em como lidar com as diferenças de aprendizagem. No Michigan, utiliza-se uma lousa de Plexiglas (tipo de material acrílico) como solução para que crianças com problemas de fala possam participar das aulas. O professor fala atrás de uma lousa transparente, enquanto o aluno reveza com o professor no uso de máscara, conforme cada um precise articular a fala.

Em Indiana, os ônibus escolares são limpos com spray desinfetante de hospital para alunos que precisam de carona para a escola. Há também máquinas de nebulização. No entanto, eles não esperam que muitos alunos entrem no ônibus – espera-se que 35% das crianças na área aprendam remotamente, enquanto outros distritos escolares nos EUA não serão abertos.

Algumas universidades também estão lutando para reabrir campi com segurança, com novas restrições, incluindo banir festas, viagens rodoviárias e visitantes externos.

Trump e Johnson

Uma foto na North Paulding High School, Geórgia, onde as escolas já foram reabertas, se tornou viral na semana passada mostrando os alunos aglomerados sem máscaras. A aluna que tirou a foto chegou a ser suspensa da escola, medida revertida devido à repercussão da foto.

Foto em escola da Geórgia que levou à suspensão da aluna que fez o disparo.

Isso ocorre depois que o Facebook excluiu uma postagem do presidente dos EUA Donald Trump pela primeira vez, depois que ele compartilhou um clipe no qual afirmava que as crianças são “quase imunes”.

A plataforma de mídia social considerou isso uma violação de suas regras contra o compartilhamento de informações incorretas sobre o coronavírus. Durante uma reunião na Casa Branca no mesmo dia, Trump repetiu sua afirmação de que o vírus teve pouco impacto nas crianças. “As crianças lidam muito bem com isso”, disse ele a repórteres.

“Se você olhar para os números, em termos de mortalidade, fatalidades … para crianças menores de uma certa idade … seus sistemas imunológicos são muito, muito fortes e muito poderosos. Eles parecem ser capazes de lidar com isso muito bem e isso está de acordo com todas as afirmações estatísticas.”

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram que, embora os adultos constituam a maioria dos casos de Covid-19 conhecidos até agora, algumas crianças e bebês adoeceram com a doença e também podem transmiti-la a outras pessoas.

Boris Johnson, entretanto, está enfrentando apelos generalizados para aumentar os testes e rastreamento do coronavírus, a fim de reabrir as escolas com segurança para todos os alunos, sem impor mais restrições aos negócios ou à vida social.

O primeiro-ministro disse que é “prioridade nacional” trazer as crianças de volta às aulas na Inglaterra no mês que vem, mas foi avisado por consultores científicos que “compensações” podem ser necessárias para manter a transmissão baixa.

Com informações da CBS e do Mirror

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *