Por onde Biden deve pôr fim às práticas habituais, por Bernie Sanders

Neste momento de crise sem precedentes, o Congresso e a administração de Biden devem responder com ações sem precedentes.

Bernie Sanders e Joe Biden em um debate do partido Democrata em Charleston, 2020 | Foto: Jonathan Ernst / Reuters

Um número recorde de 4 mil americanos está morrendo todos os dias de Covid-19, enquanto o governo se atrapalha na produção e distribuição de vacinas, testes e rastreamento. No meio da pior pandemia em 100 anos, mais de 90 milhões de americanos não têm seguro ou o seguro não cobre consultas médica, que eles não conseguem pagar. O isolamento e a ansiedade causadas pela pandemia resultam em um grande aumento de doenças mentais.

Mais da metade dos trabalhadores americanos vivem de pagamento a pagamento, incluindo milhões de trabalhadores essenciais que arriscam suas vidas todos os dias. Mais de 24 milhões de americanos estão desempregados, subempregados ou desistiram de procurar trabalho, enquanto a fome neste país está no nível mais alto em décadas.

Por causa da falta de renda, até 40 milhões de americanos enfrentam a ameaça de despejo, e muitos devem milhares em aluguéis atrasados. Isso se soma aos 500 mil que já estão sem teto.

Enquanto isso, as pessoas mais abastadas deste país estão se tornando muito mais ricas, e a desigualdade de renda e riqueza estão aumentando. Incrivelmente, durante a pandemia, 650 bilionários na América aumentaram sua fortuna em mais de U$1 trilhão.

Como resultado da pandemia, a educação no país, desde a creche à pós-graduação, está um caos. A maioria dos jovens deste país viu sua educação ser interrompida e é provável que centenas faculdades deixem de existir em breve.

As mudanças climáticas estão devastando o planeta com um número sem precedentes de incêndios florestais e mudanças climáticas extremas. Os cientistas nos dizem que temos apenas alguns anos antes que danos irreparáveis ​​ocorram ao nosso país e ao mundo.

E, em meio a tudo isso, os princípios da democracia americana estão sob um ataque sem precedentes. Temos um presidente que está trabalhando febrilmente para minar a democracia americana e incitar a violência contra o próprio governo e constituição que jurou defender. Apesar de todas as evidências, dezenas de milhões de americanos realmente acreditam na Grande Mentira de Trump, de que ele ganhou esta eleição por uma vantagem esmagadora e que a vitória foi roubada dele e de seus apoiadores. Milícias armadas de direita em apoio a Trump estão sendo mobilizadas em todo o país.

Neste momento de crise sem precedentes, o Congresso e o governo Biden devem responder por meio de ações sem precedentes. Não mais práticas corriqueiras. Não mais o mesmo de sempre.

Os democratas, que agora controlarão a Casa Branca, o Senado e a Câmara, devem reunir coragem para demonstrar ao povo americano que o governo pode responder rápida e eficazmente à sua dor e ansiedade. Como próximo presidente da comissão de orçamento do Senado, é exatamente isso que pretendo fazer.

O que tudo isso significa para o americano médio?

Significa combater agressivamente a pandemia e permitir que o povo americano volte aos seus empregos e escolas. Isso exigirá um programa de emergência liderado pelo governo federal para produzir a quantidade de vacinas necessária e aplicá-las nos braços das pessoas o mais rápido possível.

Isso significa que, durante a severa crise econômica que estamos passando, devemos garantir a todos os americanos os recursos financeiros de que precisam para viver com dignidade. Devemos aumentar os U$ 600, que recentemente foi passado para U$ 2.000, em pagamentos diretos para cada adulto e criança da classe trabalhadora, aumentar o salário mínimo para U$ 15 a hora, expandir o seguro-desemprego e prevenir o despejo, falta de moradia e fome.

Isso significa que, durante essa pandemia avassaladora, devemos garantir saúde a todos. Devemos também acabar com o constrangimento internacional de os Estados Unidos serem o único grande país do planeta a não oferecer licença familiar e médica remunerada aos trabalhadores.

Significa tornar os primeiros anos da educação infantil e creches universais e disponíveis para todas as famílias na América.

Apesar do que você pode ter ouvido, não há razão para que não possamos fazer todas essas coisas. Por meio da reconciliação orçamentária, um processo que requer apenas maioria de votos no Senado, podemos agir rapidamente e aprovar essa legislação emergencial.

Mas isso não é suficiente. Este ano, precisamos também aprovar um segundo projeto de lei de reconciliação que trata das principais mudanças estruturais de que nosso país necessita desesperadamente. Em última instância, devemos enfrentar o nível grotesco de desigualdade de renda e riqueza e criar um país que trabalhe para todos e não apenas para alguns. Não se deve mais negar aos americanos os direitos econômicos básicos que são garantidos às pessoas em praticamente todos os outros grandes países.

Isso significa usar um segundo projeto de lei de reconciliação para criar milhões de empregos bem remunerados, reconstruindo nossa infraestrutura defasada e construindo moradias populares, modernizando nossas escolas, combatendo as mudanças climáticas e fazendo grandes investimentos em eficiência energética e energia renovável.

Significa eliminar as taxas de matrículas em escolas públicas, universidades, escolas comerciais, faculdades e universidades historicamente negras e lidar de maneira determinada com o nível ultrajante de dívidas estudantis de famílias trabalhadoras.

E significa fazer com que os americanos mais ricos e as empresas mais lucrativas paguem sua parte justa de impostos. Não podemos continuar a permitir que empresas lucrativas como a Amazon ganhem bilhões de dólares em impostos e não paguem nada em impostos federais líquidos. E os bilionários não podem pagar uma taxa de imposto mais baixa do que os americanos da classe trabalhadora. Precisamos de uma reforma tributária de verdade.

Não há razão para que Joe Biden não assine dois projetos de lei importantes que cumprirão a maioria das metas que listei acima nos primeiros 100 dias do novo Congresso. Não podemos permitir que Mitch McConnell e a liderança republicana sabotem a legislação extremamente popular que melhoraria a vida de milhões de trabalhadores americanos.

Nunca nos esqueçamos. Quando os republicanos controlaram o Senado, eles usaram o processo de reconciliação para repassar trilhões de dólares em incentivos fiscais principalmente para o 1% mais rico e para empresas multinacionais. Além disso, eles foram capazes de confirmar três juízes de direita para a Suprema Corte dos Estados Unidos em um período muito curto de tempo por maioria simples de votos.

Se os republicanos puderam usar o processo de reconciliação para proteger os ricos e os poderosos, podemos usá-lo para proteger as famílias trabalhadoras, os doentes, os idosos, os deficientes e os pobres.

Fonte: The Guardian
Tradução: Rodrigo Abdalla

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *