A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Valdete Souto Severo

Doutora em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo (USP), juíza do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região, professora de Direito e Processo do Trabalho da UFRGS e escritora
Tempo de mudança

O aumento da miséria e do rebaixamento das condições de vida tem direta relação com a ausência de investimento, de distribuição de renda e de valorização das empresas estratégicas

Será que temos esse tempo pra perder?

O trabalho remoto, sem uma estrutura social e uma remuneração que garantam a oferta de atendimento especializado a essas pessoas, significará maior penosidade

Por uma outra linguagem possível

A linguagem da dominação faz o mesmo: disfarça, naturaliza e recalca práticas de violência contra as mulheres, as populações originárias, as pessoas não brancas

Nos deram espelhos e vimos um mundo doente

Dentro de uma lógica capitalista, com maior ou menor violência e intensidade, a destruição tem sido o único caminho trilhado

Vamos formar outro G.A.E.T?

Minha proposta é que formemos outro grupo de estudos: o G.A.E.T – Grupo de pessoas Afetadas pelo Enfurecimento contra Trabalhadoras e trabalhadores

Ômicron

Na semana passada, tivemos o anúncio de uma cepa diferente, potencialmente perigosa, porque mais transmissível e talvez mais letal, detectada pela primeira vez na África, continente com a menor taxa de vacinação

Prisma invertido: mais algumas reflexões sobre a Portaria 620 do MPT

E eis que nos vemos diante desse prisma invertido: o governo edita portaria que protege o emprego; os representantes dos trabalhadores defendem punição

Com a palavra o STF!

A semana que passou nos brindou com a grata notícia de que o STF, por 6 votos a 4, reconheceu a inconstitucionalidade de dispositivos que operam uma violência institucional profunda contra a classe trabalhadora

Vikings da modernidade

Temos um ministro da economia para o qual a tragédia brasileira rende milhões, sustentado pela ação, pela omissão e pelo silêncio

Pobreza menstrual

Não é de pobreza menstrual que se trata. É de miséria social, econômica e também miséria moral de quem opta por negar essa condição básica de dignidade às mulheres brasileiras

Não à PEC 32!

A PEC 32 se alinha a todo o estímulo à terceirização. Afinal, terceirizar é também uma forma de burlar a impessoalidade e de comprometer a eficiência do serviço público, destruindo, ao mesmo tempo, a noção de carreira pública

Lágrimas do povo

É difícil encontrar forma precisa para expressar o que nossos corpos percebem como tristeza, desolação, abandono, dor e fúria. Tudo misturado a uma sensação de impotência e de cansaço

1 2