Semana Vermelha: Um governo de gente que foge da justiça

Veja o que foi notícia no Vermelho na última semana

(Foto: Reprodução)

Weintraub fugiu como um criminoso, protegido pela impunidade garantida pelo cargo de ministro de Estado e usando, muita gente acredita, passaporte diplomático. Fugiu da prisão iminente protegido por Bolsonaro, que só oficializou sua demissão no sábado, quando Weintraub já estava em Miami.

Outro criminso procurado há mais de um ano, Fabrício Queiróz foi preso na quinta-feira (18), em Atibaia (SP), na casa do advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef. Ele é acusado de participar do escândalo da “rachadinha” – desvio de dinheiro público – no gabinete de Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. A imagem pública de Bolsonaro está tão deteriorada que já contamina a percepção pública de dois pilares de seu governo – as Forças Armadas e as igrejas evangélicas fundamentalistas.

Weintraub fugiu como um criminoso, e foi protegido por Bolsonaro – O ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixou o cargo na quinta-feira (18), dizendo ter recebido um convite para ser diretor do Banco Mundial Demitido do Ministério da Educação na quinta-feira (18), Weintraub viajou na sexta (19) para os EUA; suspeita-se que tenha usado passaporte diplomático. Como sua exoneração ainda não tinha sido oficializada, ele também não podia ser preso – e esta teria sido a ajuda de Bolsonaro a seu repudiado auxiliar, alvo do inquérito das fake news no Supremo, além de ser investigado por racismo. (Abraham Weintraub deixará cargo de ministro da Educação / Weintraub usou passaporte diplomático e fugiu para os EUA?)

Apareceu o Queiróz, na casa do advogado de Bolsonaro – Queiróz é preso na casa do advogado de Bolsonaro, alertam deputados – Na quinta-feira (18), foi preso, em Atibaia (SP) o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, desaparecido desde o escândalo da “rachadinha” – desvio de dinheiro público – no gabinete do filho do presidente da República. Queiroz foi preso na casa do advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef. (Queiróz é preso na casa do advogado de Bolsonaro, alertam deputados)

Má imagem de Bolsonaro contamina confiança popular em militares e igrejas – A má imagem de Bolsonaro fere a confiança nas Forças Armadas. Caiu para 27% o número dos que as avaliam positivamente, mostra pesquisa do Instituto da Democracia. A mesma coisa com as igrejas: a imagem positiva das igrejas caiu para 29,7%. São duas bases do bolsonarismo em xeque. Ao mesmo tempo, 78% são contra o fechamento do Congresso, e cresceu a confiança no Congresso, nos partidos políticos e no Judiciário. (Bolsonarismo arranha a imagem das Forças Armadas)

STF autoriza investigação de atos antidemocráticos – O ministro STF Alexandre de Moraes determinou a quebra do sigilo bancário de 11 parlamentares bolsonaristas para apurar se financiaram atos antidemocráticos, pelo fechamento do STF e do Congresso Nacional. Determinou também que as redes sociais forneçam dados sobre páginas que fazem apologia a atos antidemocráticos. (Ministro do STF quebra sigilo bancário de parlamentares bolsonaristas)

Governo gasta menos da metade dos recursos liberados contra a pandemia – Governo gasta só 11,2 bilhões de reais (28%) dos 39 bilhões de reais que foram liberados para gastos com ações emergenciais no Ministério da Saúde. Além disso, dos 303,5 bilhões liberados para as ações emergencial, o governo só gastou 124,7 bilhões de reais (41%). Os dados foram levantados pela Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados. (Governo gasta só 41% dos recursos liberados para o combate à pandemia)

O racismo impede a democracia – Manifesto “Enquanto houver racismo não haverá democracia”, publicado no domingo (14), teve 132 assinaturas, representando os 132 anos de abolição inconclusa – entre eles o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). A Coalizão Negra por Direitos ressalta que a população negra exige o fim do racismo e do genocídio da população negra. (Orlando Silva destaca manifesto da Coalizão Negra contra racismo)

Anular cancelamento ilegal de anistia para evitar nova perseguição política – A bancada do PT no Senado apresentou Projeto de Decreto Legislativo (PDL 270/2020) para sustar as ilegais e absurdas portarias que anularam a anistia de 295 ex-cabos da FAB, demitidos por motivos políticos. O PDL é para evitar que esses brasileiros sejam, novamente, vítimas de violência política, disse o senador Rogério Carvalho (PT-SE). (Projeto susta decreto de anulação de anistias assinado por Damares)

Bolsonarista da Fundação Palmares tenta apagar a história dos negros – Biografias de personalidades negras – Zumbi dos Palmares, Luís Gama, André Rebouças, Carolina Maria de Jesus e esportistas negros – são apagadas no site da Fundação Palmares, na tentativa bolsonarista de embranquecer a história. Funcionários e pesquisadores dizem que foi ordem de Sérgio Camargo, o chefe racista da fundação nomeado por Bolsonaro. (Bolsonarismo tenta “apagar” Zumbi, Luís Gama e Carolina de Jesus)

Governo Bolsonaro tem quase 3.000 militares – Embora chefie um governo civil, Bolsonaro tem 2.930 militares – 92,6% em postos abertos em seu governo. Os números foram compilados pelo site Poder360. (Com Bolsonaro, militares já ocupam 2.930 cargos nos Três Poderes)

ONU condena racismo e violência policial – O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou, na sexta-feira (19), uma resolução histórica que condena o racismo sistêmico e a violência policial. A decisão foi tomada contra o assassinato de George Floyd, nos EUA, que originou protestos pelo mundo. (Resolução histórica da ONU condena racismo e violência policial)

Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *