A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: dívida pública,

Financiamento em tempos de pandemia: impostos, dívida pública ou moeda

A pergunta-chave, fácil de ser feita e complexa para ser respondida, de maneira não leviana, é dirigida a economistas: por que não se emite moeda para pagar a renda básica universal?

Devemos voltar à austeridade fiscal no pós-pandemia de coronavírus?

O crescimento da dívida pública é tido como inevitável por boa parte dos economistas, para quem, após a pandemia, deve-se retomar o teto de gastos, reduzir salários etc. Defendemos, porém, que o fim da crise atual não passa pela agenda de cortes e reformas.

Brasil precisa aumentar emissão de moeda e dívida pública

As políticas a serem adotadas implicam um custo da ordem de R$ 700 bilhões (10% do PIB) ao ano. Enfrentar a crise exige romper paradigmas, o que, junto com uma boa gestão, será determinante para amenizar os seus efeitos.

Financiamento monetário é arma em “guerra” contra Covid-19

Recusar-se a ousar implica empobrecer (e até matar) desnecessariamente brasileiros.

A “economia do papa Francisco” e a dívida pública no Brasil

O tremendo privilégio do “Sistema da Dívida” tem transformado o Estado brasileiro em um instrumento a serviço do poder financeiro transnacional, à custa do atraso de nosso próprio desenvolvimento socioeconômico

Bolsonaro usa pedalada para dizer que dívida caiu

Governo, mais uma vez esconde e tenta maquiar os dados para dizer que está tudo bem.

FMI, 75 anos: Como mudou o papel do fundo na América Latina 

Há exatos 75 anos, no dia 22 de julho de 1944, uma conferência monetária e financeira da ONU deliberou a criação do Fundo Monetário Internacional (FMI). Nesse período, mudou o papel do órgão na América Latina, conforme explica o economista espanhol Santiago Niño Becerra em entrevista à Sputnik Mundo.

Rombo das contas públicas não está na Previdência

Em vez de insistir em mexer na Previdência, empresariado deveria lutar contra mecanismos de securitização da dívida pública que só beneficiam os bancos, diz a coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida, Maria Lúcia Fatorelli.

Orçamento 2019 revela que o rombo está no gasto com a dívida pública

O novo governo acabou de sancionar o Orçamento Federal para 2019, no montante de R$ 3,262 trilhões. Dentre as despesas, sobressai o gasto financeiro com a chamada dívida pública, que consumirá quase 44% de todo o orçamento, ou seja, R$ 1,425 trilhão!

Por Maria Lucia Fattorelli e Rodrigo Ávila*

A dívida pública e a tergiversação bolsonarista

O grande dilema econômico do governo Jair Bolsonaro será a forma de lidar com o Orçamento Federal. Nele, o nó górdio é a dívida pública, um sistema de empréstimo-papagaio de R$ 4 trilhões a juros que custam os olhos da cara para a população. Em resumo, ele pode ser definido como mecanismo que drena uma dinheirama dos recursos que entram nos cofres do Estado para a especulação rentista mundial.

Por Osvaldo Bertolino*

 A perigosa ideia de Paulo Guedes

 A venda de reservas internacionais não contribui para o ajuste fiscal e aumenta a vulnerabilidade externa.

Por Paulo Nogueira Batista Jr.

Proposta que cede direitos de dívidas a setor privado é criticada

Para procurador da Fazenda Nacional, projeto cria uma operação de crédito disfarçada, gerando prejuízo a médio e longo prazo

1 2 3 14