A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Augusto Buonicore

Historiador, mestre em ciência política pela Unicamp e diretor de publicações da Fundação Maurício Grabois. Autor dos livros Marxismo, história e a revolução brasileira: encontros e desencontros; Meu Verbo é Lutar: a vida e o pensamento de João Amazonas; e Linhas Vermelhas: marxismo e os dilemas da revolução. Todos publicados pela Fundação Maurício Grabois e Editora Anita Garibaldi.
Os comunistas, Prestes e o tenentismo (parte 2)

Entre 1929 e 1934 ocorreu uma aplicação mecânica das resoluções da Internacional Comunista (IC). A nova política refletia um profundo desconhecimento das forças sociais em presença. Abandonou-se a proposta de aliança com a pequena burguesia urbana, através do movimento tenentista. Este passou a ser olhado com desconfiança e depois tratado como inimigo. Na falta de uma social-democracia nativa, o prestismo (ala esquerda do tenentismo) ocupou o seu lugar no esquema dos comunistas brasileiros.

Os comunistas, Prestes e o tenentismo (parte 1)

Na década de 1920 o relacionamento dos comunistas com o tenentismo, especialmente com Luiz Carlos Prestes, foram marcadas pela instabilidade. Reflexo das alterações ocorridas no seio da 3ª Internacional. A relação que começou fria e desconfiada, logo se transformou em franca simpatia às ações armadas da jovem oficialidade. Ocorreram contatos e tentativas de acordos entre os comunistas e Prestes, que não vingaram.

Da ditadura militar brasileira- 2ª parte

Na primeira parte deste artigo buscamos demonstrar que a utilização dos conceitos golpe militar e ditadura militar têm uma longa tradição no seio da esquerda brasileira. Não foram criados para encobrir o caráter de classe daqueles acontecimentos e sim para captar suas especificidades.

Da ditadura militar brasileira – 1ª parte 

 Até a década de 1990 existia um amplo consenso na esquerda brasileira em relação ao caráter do golpe e do regime implantado em 1964. Poucos questionavam que havíamos tido um golpe militar e que este, por sua vez, implantara uma ditadura militar. Contudo, vem crescendo o número daqueles que se utilizam livremente de termos como 'golpe civil-militar' e 'ditadura civil-militar'.

João Zinclar, o operário da fotografia

O Instituto João Zinclar foi formado após uma reunião realizada no Dia do Fotógrafo, em 8 de janeiro de 2014, no Museu de Imagem e Som (MIS) de Campinas-SP. Na reunião que decidiu pela fundação da instituição em homenagem ao pai, Victoria Ferraro Lima e Silva comunicou a autorização da guarda do acervo ao MIS, onde o fotógrafo realizou exposições, oficinas e palestras voluntárias.

Rosa Luxemburgo: A Rosa Vermelha do Socialismo

Nesta quarta-feira (15), completam-se 95 anos da morte de Rosa Luxemburgo, ocorrida de forma covarde durante conflitos de classe que se acirravam com a formação da República alemã, com forte atuação de setores revolucionários que se animavam com as vitórias do proletariado na Rússia.

Diógenes Arruda: O guerreiro sem repouso (2)

“Certa vez, quando estávamos na China em pleno inverno, um fio de lascar, 39º abaixo de zero, olhávamos pela janela e tudo lá fora estava completamente branco, coberto de neve. Foi aí que vi Diógenes à beira da janela com lágrimas escorrendo pelo rosto. Como poucas vezes o vi chorar, perguntei: O que foi meu nego? Ai ele me disse: – Tereza, será que está chovendo no sertão?” Depoimento de Tereza da Costa Rego, companheira de Arruda.

Diógenes Arruda: O guerreiro sem repouso (1)

“O senhor sabe: sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado!” Riobaldo, Grandes Sertões Veredas.

Carlos Marighella: Quando é preciso não ter medo.

 “Ei Brasil-africano!
Minha avó era negra haussá,
ela veio da África,
num navio negreiro.
Meu pai veio da Itália,
operário imigrante.
O Brasil é mestiço,
mistura de índio, de negro, de branco”
(De Canto para Atabaque – Carlos Marighella)

A verdade sobre o pacto Hitler-Stalin

Durante a passagem dos 70 anos do início da 2ª Guerra Mundial, a grande imprensa buscou reconstruir a história do seu ponto de vista. A principal vítima do revisionismo liberal-burguês – e não poderia ser diferente – foi a União Soviética.

O Partido Comunista do Brasil em 1979

O ano de 1979 foi decisivo para afirmação do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) como a força de esquerda marxista-leninista mais importante do país. Algumas decisões políticas, tomadas naquele período crítico da história brasileira, ajudaram a relançar o

Os camponeses, o Partido e a Guerrilha do Araguaia

À Edite, Pedro Carretel, Alfredo, Luís Vieira, Juarez, Jair, Levy, Batista, Luíz Viola, Joaquim e Lourival – camponeses guerrilheiros mortos no Araguaia. Mártires do povo brasileiro.

1 2 3 4 5 9

Colunistas

Christian Lindberg
Alexandre Lucas
José Reinaldo Carvalho
Jandira Feghali
Paulo Kliass
Francisca Rocha
Marcos Verlaine
José Medeiros
José Carlos Ruy
Eron Bezerra