A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Tag: Eleição no Chile

De Olho no Mundo, por Ana Prestes

O conflito entre israelenses e palestinos preocupa o mundo e é o destaque das notas internacionais desta quinta-feira (13). A cientista política Ana Prestes também comenta a situação na Colômbia, a negociação de dívidas da Argentina, o ataque hacker ao maior oleoduto nos EUA, o projeto de lei que extingue o licenciamento ambiental no Brasil, a realização (ou não) dos Jogos Olímpicos no Japão, a movimentação de Guaidó na Venezuela e a eleição da nova Assembleia Constituinte no Chile

De Olho no Mundo, por Ana Prestes

A eleição neste final de semana para a Assembleia Constituinte no Chile é o destaque da cientista política Ana Prestes. A celebração da vitória do exército soviético sobre os nazistas, os protestos na Colômbia, a onda de Covid na Índia, as vacinas cubanas, a vitória da extrema direita nas eleições em Madri, os ataque aos palestinos em Jerusalém oriental e as eleições gerais na Nicarágua são outros assuntos da nota desta segunda-feira (10)

Eleição da constituinte é adiada no Chile para conter avanço da Covid

A escolha dos representantes para a Convenção Constitucional passa do dia 11 de abril para 15 e 16 de maio

De Olho no Mundo, por Ana Prestes

A corrida mundial por insumos para vacinas nos maiores exportadores de produtos farmacêuticos, Índia e China, é o destaque da cientista política Ana Prestes nesta terça-feira (19). A votação de moção de confiança na câmara dos deputados do primeiro-ministro italiano, o crescimento econômico da China em 2020, a posse de Joe Biden nos EUA, as eleições e crise na área de saúde no Peru, as eleições no Chile e a ausência do Brasil na lista de exportação de vacinas da Índia são outros tópicos da nota internacional.

Por dentro da rebelião: o testemunho de uma brasileira no Chile

Andrea Garafulic Aguirre foi morar em Santiago dois meses antes dos protestos

Michelle Bachelet: Chile só tem um adversário, a desigualdade

Do balcão do Palácio de la Moneda, onde há 40 anos o presidente socialista Salvador Allende morreu vítima de um golpe de Estado, Michelle Bachelet, presidenta pela segunda vez do Chile, fez seu primeiro discurso a milhares de chilenos que a aguardavam. Emocionada, disse que “o Chile tem somente um grande adversário, que se chama desigualdade” e enfatizou que será “a presidenta de todos os chilenos e chilenas: dos que me deram apoio, dos que não votaram por mim e dos que não foram votar”.

Presidenta do Senado, Isabel Allende, defende igualdade de gênero

Nesta terça-feira (11), Isabel Allende, a terceira filha do ex-presidente chileno Salvador Allende, tornou-se a primeira mulher a presidir o Senado chileno. Por sua posição, Isabel foi também a primeira mulher a tomar o juramento e entregar a faixa presidencial a outra mulher, a socialista Michelle Bachelet. Após tomar posse do cargo, Isabel declarou que seu pai estaria orgulhoso dela.

Bachelet: Assumo a presidência com consciência e responsabilidade

A socialista Michelle Bachelet é oficialmente presidenta do Chile. A mandatária recebeu, nesta terça-feira (11), a faixa presidencial e prestou o juramento diante da filha do ex-presidente Salvador Allende, deposto por um golpe de Estado que deu início a uma das ditaduras mais sangrentas do continente.

Bachelet volta ao poder no Chile sob expectativas por reformas

Quatro anos depois de deixar a presidência do Chile com 83% de aprovação, Michelle Bachelet retorna ao cargo nesta terça-feira (11), depois de vencer as eleições de dezembro com 63% dos votos.

Por Victor Farinelli, na Opera Mundi

Roger Burbach: Para que lado Bachelet se inclinará?

As eleições na Venezuela e no Chile, em dezembro de 2013, proporcionaram um novo impulso aos governos de esquerda na América Latina e para o avanço das políticas pós-neoliberais.

Por Roger Burbach*, na Carta Maior

Chile: Matthei diz que não culpa Piñera por vitória de Bachelet

Após quatro dias de silêncio (desde a derrota eleitoral no segundo turno, contra Michelle Bachelet), a ex-candidata Evelyn Matthei emitiu, na tarde desta quinta-feira (19), o que foi seu último comunicado oficial, antes de um temporário período de retiro da política. Ela, que era a candidata governista na eleição do último domingo (15) isentou o presidente Sebastián Piñera de culpa.

Victor Farinelli, de Santiago para a Opera Mundi 

Emir Sader:  E agora, Michelle?

Ela resistiu muito a retornar ao Chile, deixando o cargo que tinha na ONU, de trabalho com as mulheres. Deixou para a última hora. Sabia que seria a grande favorita, que seria a única a ter essa condição no campo da oposição que, sem ela, teria uma dura disputa com o candidato de Sebastien Piñera.

Por Emir Sader*, em seu blog

1 2 3 4 6