A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Luciano Rezende

Engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Viçosa(UFV), bacharel em Administração Pública pela Universidade Federal Fluminense(UFF) e licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e Professor Doutor do Instituto Federal de Brasília.
É a luta de classes, estú[email protected]

Pouco importa ao “senhor da guerra” qual a cor da bucha de canhão. Todos são iguais perante o capitalista: capital variável para extrair sua mais-valia

A Embrapa pelas veredas do negacionismo

Incrível como um presidente de uma empresa pública como a Embrapa pode comemorar cortes de investimentos como sendo um modelo de gestão. Até aonde pode ir o negacionismo dos austericidas neoliberais?

A morte como símbolo de um governo genocida

O agricultor sempre foi símbolo de fartura e cordialidade. O governo Bolsonaro, no entanto, tenta imprimir violência até mesmo na imagem deste caricato personagem

Manuela d’Ávila e as bestas míticas

.

O futebol no inferno

.

A verdadeira polarização no Brasil

A tensão política não é desvinculada da história do país.

O casamento de Emília e o “grande acordo nacional”

O STF precisará do apoio consequente de todos os democratas brasileiros para restabelecer sua autoestima e, a partir daí, sair da depressão em que se encontra.

Lava Jato e Bolsonaro como exemplos da falência da Administração Pública

Todos os princípios da administração pública são aviltados todos os dias com a participação direta de bolsnaristas e lavajatistas.

A cova rasa de um debate fúnebre

Os grandes meios de comunicação no Brasil continuam a abrigar em suas redações um féretro de zumbis que, do alto de seus pedestais, determinam quem pode viver ou quem deve morrer (política ou fisicamente)

Não chorem, meus filhos

É fundamental, portanto, “defender a alegria como trincheira” de luta.

1 2 3 22