A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Moara Crivelente

Doutoranda em Política Internacional e Resolução dos Conflitos, diretora de Comunicação do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) e assessora da Presidência do Conselho Mundial da Paz.
O TPI não libertará a Palestina, mas pode responsabilizar seus algozes

Um passo importante para que o Tribunal Penal Internacional (TPI) investigue as denúncias de crimes de guerra e crimes contra a humanidade perpetrados por Israel na Palestina, acumulando há vários anos no escritório de sucessivos promotores, está dado: a admissão da jurisdição da Corte. Que a questão é eminentemente política é evidente. Como dizem palestinos engajados na defesa da sua causa no âmbito jurídico, não é o TPI quem vai libertar a Palestina, mas a corte pode cumprir sua promessa fundadora ao responsabilizar os seus algozes.

Biden firma as primeiras ordens e progressistas avaliam o rumo adiante

Passados quatro anos de um estrondoso governo de Donald Trump, o tom polido e a etiqueta liberal de Joe Biden não iludem. No país, a expectativa de parte da esquerda estadunidense é a de melhoria das condições para a luta, embora a já histórica invasão do Capitólio por trumpistas seja um sintoma da conjuntura política, em que recuos e continuidades são parte da dinâmica. O mesmo se espera no plano internacional.

Saarauís e palestinos enfrentam encruzilhada —com ou sem Trump

Territórios anexados por Israel e Marrocos agravam luta por libertação nacional na Palestina e no Saara Ocidental. Apoio ilegítimo de Trump terá consequências para duas das questões mais proteladas no cenário internacional e que podem se ver numa reviravolta.

Nos 20 anos da Intifada, Palestina segue resistindo

Os palestinos celebram o 20º aniversário de um levante de tal impacto que ficou cravado na história da resistência à ocupação e colonização sionista como a Segunda Intifada. Ao menos desde a ocupação britânica da região, no início do século 20, revoltas atrás de revoltas narram a história da insubmissão na Palestina. Hoje, este aniversário parece anunciar um ponto de viragem cujo desfecho está em disputa.

O que um presidente do Brasil deveria ter dito à Assembleia das Nações Unidas

A história da ONU é uma de moderadas concessões por parte das potências ocidentais e de árduas lutas dos povos, que tanto mais conquistaram. Esta é a história que deveria ser homenageada.

A rendição no acordo Mercosul-União Europeia

Pode levar anos a ratificação do Acordo de Associação Estratégica entre Mercosul —Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, com a Venezuela suspensa — e uma União Europeia de 28 estados membros —inclusive parte dos mais industrializados— mas o compromisso com a sua assinatura, recém-anunciado, reforçou a análise da condição dos países latino-americanos no sistema internacional. Agricultores europeus também preveem impactos negativos e resistem, o que igualmente cobra exame.

Parlamento de Israel legitima apartheid como interesse nacional

Não há surpresa na adoção da Lei Básica “Estado-Nação” pelo Parlamento de Israel, nesta quinta-feira (19). Mais importante nas manchetes do dia teria sido falar de continuidade, mas isto não seria fato noticioso. 

Avanços pela paz soberana na Coreia no encontro Kim-Trump

Os pundits, ditos gurus opinólogos convidados por oligopólios midiáticos liberais, estão confusos. Buscam um quadro simples para narrar que ou os EUA “venceram” na reunião pela qual o mundo esperava, entre Kim Jong-un e Donald Trump, nesta terça-feira (12), em Singapura, ou que Trump entregou o jogo.

Nakba: Dicionário da resistência à colonização da Palestina por Israel

Sumud e sanaúd são alguns termos da resistência do povo palestino na luta por sua terra. Em árabe, significam, respectivamente, “resiliência” e a asserção do retorno (“voltaremos”) de mais de seis milhões de refugiados. Neste 15 de maio, a nakba, “catástrofe” palestina, completa 70 anos. Mas esta não é só uma data histórica, é a narrativa de um genocídio em curso. 

O desmonte e a resistência brasileira na plataforma internacional

Os brasileiros e brasileiras, partidos, intelectuais e diversas entidades mobilizam-se, contando com ampla solidariedade internacional, para o reforço da luta contra o golpe e o retrocesso histórico imposto por um governo ilegítimo e antipopular e, em específico, pelo direito do ex-presidente Lula de concorrer às eleições.

Internacionalismo em tempos de emergência​​

As forças progressistas da América Latina mobilizam-se em luta árdua contra uma elite virulenta e reacionária engajada na oportunidade fomentada pelo imperialismo estadunidense. Mas em todo o mundo, movimentos sociais, partidos, sindicatos, redes de solidariedade, intelectuais e governos progressistas discutem formas de fortalecer a resistência à agressividade com que a reação se apresenta, se impõe, invade e golpeia. A resistência e a alternativa.

A luta contra a OTAN também é latino-americana

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) foi denunciada por diversos movimentos populares reunidos na capital belga, Bruxelas, às vésperas da sua cúpula, na quinta-feira (25), onde os líderes dos países membros arrogam-se o direito de deliberar sobre o futuro da humanidade. Participando dos eventos, o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) é parte na luta contra essa maquinaria imperialista e buscou evidenciar o impacto desta política na América Latina*

1 2 3 4