A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Rodrigo Barradas

Jornalista e autor de Em Chamas, livro de poesias (2015)
Brasil: uma novela ruim ou um eterno 7×1

Aqui, nesse país, nós vendemos nossa história como uma série dramática e bem produzida que ganharia o Emmy ou o Globo de Ouro, mas não passa de uma produção de quinta categoria

O teatro do absurdo no 11 de setembro

Do ataque aos símbolos dos EUA, o reforço dos símbolos que construíram aquela nação: guerra, medo e desprezo pelas outras nações

Marcha golpista no Dia 7 de Setembro: O Brasil na encruzilhada da ignorância e do ódio

Nada mais simbolicamente bizarro do que isso: um ex-militar, político de carreira e membro do baixo-clero, que foi vendido como antissistema e como o novo, envolvido com milícias e em casos de “rachadinhas”, dando um novo Grito de Independência, mais falso e mentiroso ainda que o primeiro

EUA, Cuba, golpes e antidemocracia

Após um mês dos protestos em Cuba, os quais tiveram forte influência estadunidense, é importante relembrar a política externa dos EUA e os golpes de Estado em que estiveram envolvidos

Um Estado de ódio

Crimes de transfobia crescem em Pernambuco. Que a justiça e a educação sejam as vacinas para essa epidemia

O Brasil e o horror de nossos dias

A semana no Brasil não foi para iniciantes. Mas é como se todo mundo aqui já nascesse calejado por esse surrealismo tupiniquim, que não tem nada de surreal.

Amanhã há de ser outro dia

Amanhã, o Brasil para novamente contra o Governo Bolsonaro. O #19J, como tem sido chamado, promete tomar as ruas das cidades brasileiras mais uma vez.

A CPI da Covid e a Banalidade do Mal

Agentes leais ao bolsonarismo contam mentiras, gaguejam e passam mal na CPI para cumprir ordens nefastas

Dia das Mães negras: entre chacinas, comerciais de TV, o luto e a luta

“Sabemos que domingo, as mães enlutadas pela violência do racismo estatal e capitalista são as mães pretas, no geral”

Pras Pedras que Somos: álbum de Tauã é afago nesses tempos absurdos

Artista pernambucano lança seu segundo álbum de estúdio. Disco foi gravado na Chapada Diamantina, em isolamento por causa da Pandemia.