A esquerda bem informada
A esquerda bem informada

Alexandre Weffort

Músico, professor, possui formação acadêmica em Ciência das Religiões e Comunicação. Reside em Lisboa, Portugal.
Contra o anti-comunismo rasteiro

.

Um crime simbólico

.

Batalhas ideológicas na pandemia

.

A pandemia e o pandemónio no mundo capitalista

A crise mundial que tem por mote o novo coronavírus arrasta-se já por 3 meses, na sua fase conhecida, desde que o SARS-CoV-2 foi identificado em Wuhan. A doença que aquele vírus dá origem, a Covid-19, já fez correr “rios de tinta” (ou, melhor dizendo, “de bites”, já que a informação, a análise e a crítica a respeito do tema é produzida e difundida em suportes virtuais, no mundo telemático que é, de momento, o único espaço seguro de circulação social (não é, na verdade, o único nem é, também, assim tão seguro como também se sabe).

Pandemia e sociedade – I

O SARS-CoV-2, vírus que causa a pandemia por Covid-19 (a doença que provoca em cada infectado), tem estado no centro das atenções a nível global. Tema que abarca múltiplas esferas (médica, de saúde pública, económica, cultural, geopolítica), é objecto de escrutínio permanente, contabilizando-se casos, desfechos fatais e também recuperações, números lidos através de modelos de análise estatística em que se projectam em modo prospectivo o impacte provável em cada local, através do conhecimento que se vai tendo dos casos alheios.

Paradoxos da pandemia

.

O coronavírus, o humanismo do socialismo e a ganância do capitalismo

A ganância capitalista contrasta com o humanismo que informa a postura de Cuba e China, países socialistas. E, será na dinâmica social específica destes países, na interligação entre as várias esferas da vida social que se realiza através da acção do estado e da suas estruturas dirigentes, nomeadamente, dos partidos comunistas de cada um desses países, envolvendo no esforço de combate ao novo coronavírus toda a sociedade.

A pandemia, a estratégia imperialista e a democracia

A pandemia está declarada, dando origem a algum pânico. As consequências do coronavírus dominam as atenções e preocupações de todos … ou quase todos, primando alguns pela indiferença e pela irresponsabilidade, na senda do negacionismo.

Polaridades ideológicas da pandemia

O surto de um vírus é, atingida a dimensão da “pandemia”, um evento global, traço que o insere no âmbito dos fenómenos (culturais, económicos e sociais) que o termo “globalização” encerra.

A foice e o martelo, sua importância no terreno simbólico

A questão da atualidade do símbolo do movimento comunista – a foice e o martelo – surge, volta e meia, como mote de debate político, numa proclamada necessidade de “actualismo” simbólico. E, de arrasto, o próprio termo identitário «comunista» é colocado em questão. A unidade mais ampla, imprescindível no momento atual, faz alguns considerarem que se pode prescindir dos referenciais de identidade, confundindo assim, no plano simbólico, tática com estratégia

Colunistas

Paulo Kliass
Moara Crivelente
Haroldo Lima
Jaime Sautchuk
Urariano Mota
Antônio Augusto de Queiroz
Alexandre Lucas
Lejeune Mirhan
Jorge Gregory
Francisca Rocha